segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Asfixiologia Forense: Quando a morte rouba o ar




Asfixiologia forense é a  área da medicina legal que estuda as asfixias de um modo geral. Por meio desse estudo é possível diferenciar uma caso de homicídio de um acidente, ou ainda um suicídio. Se, por exemplo o corpo foi colocado para simular um suicídio, ou ainda, se a pessoa realmente morreu afogado, ou foi morto em outro lugar e depois teve o corpo jogado na água. Isso são alguns dos vários cenários de violência que a asfixiologia pode analisar.



Características Gerais das Asfixias



Asfixia é um fenômeno causado pelo impedimento da passagem do ar pelas vias respiratórias, resultando em uma alteração bioquímica do sangue. Asfixia significa “sem pulso” porque os antigos acreditavam que, através das artérias circulava o “pneuma”.  O termo correto seria anoxemia ou hipoxemia.

Em suma é uma alteração da função respiratória por impedimento ou inibição da hematose (troca de gás carbônico pelo oxigênio no pulmão). É o impedimento da hematose (troca gasosa ao nível da membrana alveolar) devido à alterações da mecânica respiratória ou do meio ambiente.


Características Gerais das Asfixias


EXTERNAS    
                       
Cianose da pele e extremidades  (Cianose significa cor azulada da pele e mucosas causada pelo aumento de gás carbônico no sangue).;
      
Equimoses conjuntivais;
                 
Escuma ou espuma na boca;
               
Resfriamento lento do corpo;




INTERNOS


Congestão visceral;             

Equimoses sub-pleurais (manchas de Tardieu ou Paltauf);

Fluidez sanguínea


Tais características às vezes faltam e não são suficientes para se firmar o diagnóstico de morte por asfixia: são imprescindíveis a ocorrência de sinais particulares (de violência).

1 - Asfixias por alteração da dinâmica respiratória:


A - Asfixias por constrição do pescoço


Enforcamento 



É a modalidade de asfixia mecânica determinada pela constrição do pescoço por um laço cuja extremidade se acha fixa a um ponto dado, agindo o próprio peso do indivíduo como força viva. Natureza jurídica: suicida, homicida , acidental ou execução judicial.

Enforcamento

Sinais Externos:
1 - Sulco Cervical.  
Características do sulco:
  a - Oblíquo, de baixo para cima e de diante para trás (raramente transverso e excepcionalmente invertido);
  b - Interrompido ao nível do nó;
  c - Bordos desiguais (superior saliente).

Tipos de enforcamento



Posições dos enforcados

Local de enforcamento




  2 - Face congestionada e cianótica (às vezes pálida);
  3 - Petéquias conjuntivais e às vezes na pele;
  4 - Livores cadavéricos acima do sulco;
  5 - Língua protusa;
 
  6 - Livores cadavéricos nas extremidades.

Enforcamento sinais internos

1 - Equimoses do subcutâneo e musculatura cervical;
2 - Sufusões adventícias dos grandes vasos cervicais (Sinal de Friedberg);
3 - Roturas musculares no pescoço;
4 - Rotura transversal da íntima da carótida (Sinal de                    Amussat);
5 - Fraturas do osso hióide;
6 - Fraturas de cartilagens laríngeas;
7 - Rotura da tireóide;
8 - Lesões vertebrais ( raras);
              


Estrangulamento




É a asfixia mecânica por constrição do pescoço por laço tracionado  por qualquer outra força que não seja o próprio peso da vítima. 

Natureza jurídica: homicídio, acidente, suicídio e execução judicial.    

 
Sinais externos

1 -  Sulco cervical único ou múltiplo; 

Características produzidas pelo laço:
a - Geralmente transverso e horizontal (às vezes oblíquo ).;
b - Contínuo, faltando a interrupção ao níveldo nó, que encosta no pescoço.
c - Bordos iguais por uniformidade do decalque.
2 - Cianose da face;
3 - Lesões de ataque e defesa (eventualmente).


Sinais internos
1 - Sinais gerais de asfixia;
2 - Congestão do cérebro e das meninges;
3 - Hemorragias dos músculos cervicais;
4 - Lesões de cartilagens cervicais e osso hióide.




Esganadura



É a figura contundente constritiva  efetivada pelas mãos do oponente podendo atuar ainda os joelhos e os pés e as “ gravatas” com os membros (superiores e inferiores). É a modalidade restritiva ao uso dos segmentos do corporais do oponente para efetivação da manobra. É exclusivamente homicida. 

Podem ser:


  Típicas - Uso das mãos.
  Atípicas - Uso de joelho, braço, etc.


Sinais externos

  

1 - Petéquias conjuntivais;
2 - Equimose no pescoço;

3 - Escoriações no pescoço. (estigmas ungueais nas esganaduras típicas);
4 - Sinais de ataque e de defesa.


Sinais internos

1 - Sinais gerais de asfixia;
 2 - Infiltrações sanguíneas dos planos do pescoço;
 3 - Fraturas das cartilagens da laringe;
 4 - Fratura do hióide.


B - Asfixia por sufocação



Sufocação é modalidade de asfixia mecânica produzida pelo impedimento da passagem do ar respirável por meio direto ou indireto de obstrução.
Por meio direto são os caso devidos à oclusão dos orifícios ou dos condutos respiratórios e por meio indireto a compressão do tórax e a sufocação posicional.

Podem ser:

Diretas - É a obstrução devida ao impedimento de entrada de ar pela boca e/ou narinas e/ou vias aéreas superiores (glote). Síndrome da Coronária do  Café.



                   Sufocação Direta com um grão de feijão
  

Indiretas - Consiste no bloqueio à expansão torácica extrinsecamente. (movimentos respiratórios). Observa-se nestes casos a denominada Máscara Equimótica de Morestin. O mecanismo de morte por crucificação é por asfixia indireta.






2 - Asfixias por Alteração do Meio Ambiente

 
       
A - Asfixias Oxiprivas
 
     
Confinamento



É a asfixia do indivíduo enclausurado em espaço restrito ou fechado, sem renovação de ar atmosférico, por esgotamento de oxigênio e aumento gradativo de gás carbônico.




Gases inertes

 


Ambientes saturados de gases inertes e pouco tóxicos como butano, metano, propano, etc. que agem como bloqueadores mecânicos da respiração.



B – Soterramento




Ocorre quando o meio gasoso (ar) foi substituído por meio sólido (terra, areia, farinha, etc.). A Natureza jurídica é, na maioria dos casos, acidental, podendo, no entanto, ser homicídio.

Sinais externos

1 - Lesões contusas pelo impacto do material  soterrante;
2 - Resíduos do meio (terra, areia, farinha, etc.)


Sinais internos
1 - Sinais gerais de asfixia;
2 - Presença de sólidos nas vias aéreas



  C – Afogamento




É a modalidade de asfixia, na qual ocorre a troca do meio gasoso por meio líquido, impedindo a troca gasosa necessária à respiração.
Diferenças entre afogamento em água doce e água salgada:

Na água doce a morte ocorre por fibrilação ventricular devido às grandes alterações eletrolíticas do sangue que acaba de ser solubilizado pela entrada de água nos pulmões indo até o coração esquerdo.
Diferenças entre afogamento em água doce e água salgada:

Na água salgada a morte ocorre por intenso edema  dos pulmões uma vez que a água salgada é uma solução hiperosmolar em relação ao sangue.

Sinais externos

1 - Pele anserina (arrepiada);
2 - Cogumelo de espuma (boca, narinas);
3 - Erosão nos dedos;
4 - resíduos minerais e/ou vegetais na pele e roupa;
5 - Corpos estranhos sob as unhas;

6 - Maceração epidérmica (palma das mãos e planta dos pés rugosos);
7 - Lesões de pele por “ arrastamento” no fundo;
8 - Lesões pós-mortais produzidas por peixes e crustáceos.




 

Sinais internos

1 - Presença de líquido nas vias respiratórias;
2 - Presença de corpos estranhos no líquido das vias respiratórias;
3 - Manchas de Paltauf nos pulmões;
4 - Diluição do sangue;
5 - Presença de líquidos no sistema  digestivo.



Presença de água no estômago



Presença de água nos pulmões

Afogados brancos de Parrot

Existem casos em que o indivíduo, ao tocar a água, morre por inibição necessitando, para isso uma predisposição constitucional, lesões cardiovasculares agravadas pela ação térmica ou nos estados tímicos-linfáticos. Nesta modalidade de “afogamento”, não se encontra nenhum sinal de asfixia. Ocorre, segundo a literatura em 10% dos casos.







 Conclusão



Asfixiologia Forense, assim como os demais ramos dentro da Medicina legal, ajuda a analisar casos envolvendo morte para dar um parecer se houve um homicídio, suicídio, acidente ou tentativa de esconder um homicídio.

Muito amplo, a asfixiologia analisa as diversas forma de mortes por privação respiratória. em conjunto com outras áreas forenses é possível determinar a forma que foi conduzir um crime e até mesmo ajudar a montar o perfil do criminoso.

Espero que tenham gostado. Dúvidas, sugestões, deixe nos comentários. Se gostaram deem um curtir e compartilhem. Muito Obrigado.



                     Prof. Marcos Antônio Ribeiro dos Santos






Visite:















Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...