quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Sobrevivencialismo Urbano: Alienação cultural & infestação zumbi midiático


A informação na mão de poucos sempre foi um problema, pois possibilitou, que esses poucos controlassem a cultura, costumes, a moral de determinado povo. Sempre teve aquele individuo com capacidade de abstração maior que criava respostas a todas as perguntas para o restante dos integrante do grupo. Como nasceu o mundo, o que era o trovão, o que era as doenças ou as calamidades. E as resposta eram tidas como verdade  sem questionamento, e com o passar dos tempos foram passadas de geração em geração. 

Hoje na era da informação onde temos redes sociais, milhares de noticias e opiniões correndo mais rápido do que possamos possamos acompanhar. Temos que ser muito cautelosos, para não ser  mais uma vitima da zumbificação midiática.


Como sobrevivencialistas urbanos devemos sempre que questionar as informações que chegam para nós, para não agirmos como um rebanho de ovelhas caminhando na mesma direção. Vamos ver como se da o controle da indústria de informação, e como fugir desses paradigmas.








Controle das informações






Informação verdadeira, falsa, não importa, o controle das respostas é o que sempre deu poderes a sacerdotes, políticos e empresários. Pois esses por estratégia ou recursos tinham acesso a informações e como filtra-las para que chegasse ao público da maneira mais conveniente, para manter o status da ignorância do povo. 



Somente com o surgimento da filosofia o homem aprendeu a questionar e procurar realmente desenvolver respostas a questões que o cercava, e não simplesmente aceita-las prontas. 

Porém começou-se a utilizar os pensamentos filosóficos para se criar ideologias baseadas em sofismas (argumento ou raciocínio concebido com o objetivo de produzir a ilusão da verdade, que, embora simule um acordo com as regras da lógica, apresenta, na realidade, uma estrutura interna inconsistente, incorreta e deliberadamente enganosa.).  

Então vimos surgir na história, figuras como Mao Tse Tung,  que sabiam que não bastava apenas controlar pela força, mas criar ideologias e sistemas de controle da informação.







Hoje no século XXI, na era de informação, são milhões e milhões de informações sendo transmitidas a cada segundo, por meio de redes sociais, sites, blogs e etc. É mais informação do que se possa absolver ou mesmo pesquisar as suas fonte. Isso é um perigo por que nós remete novamente a mesma situação dos nossos ancestrais. Onde um grupo (religioso, empresarial, político) controla as informações que devem ser aceitas como verdadeiras e falsas. tem informações  pelo primeiro. Estas semana, as redes sociais do mundo todo anunciaram a morte do ator Silvester Stallone, foi necessário o ator vir a público para que as pessoas acreditarem que ele ainda estava vivo e consequentemente era uma noticia falsa.  
Pode parecer uma coisa de pouca importância social, mas assim como esse exemplo anos atrás teve a falsa noticia veiculada nos meios de comunicação da Escola Base.

Em 1994, a escola particular Escola Base em São Paulo, seus proprietários, uma professora  e o seu esposo que era motorista  foram  acusados pela imprensa injustamente de abuso sexual contra crianças da escola.  A escola foi obrigada a fechar e as pessoas acusadas passaram a ser hostilizadas pela população, e passaram a sofrer de doenças como estresse, fobia e cardiopatia, além de se isolarem da comunidade e perderem seus empregos. 
Até hoje, o caso é tema de estudos de faculdades e seminários de jornalismo, direito, psicologia, psiquiatria e ciências sociais como exemplo de calúnia, difamação, injúria e danos morais.





Com o mundo globalizado, e interligado com os avanços científicos e tecnológicos dos séculos trouxeram mudanças radicais nos sistemas de educação. Os chamados meios de comunicação de massa rádio, TV, computadores e jornais e revistas virtuais  criaram um modo de saber industrializado, um “produto pronto”, como meio de entretenimento.

Esse sistema de informação, ele alimenta a população com informações banais e tendenciosas. E ainda focadas no consumismo:  celulares, moda, vida de artistas, realitty shows e etc.

E como a  maioria da população não busca uma formação cultural, se satisfazendo apenas com o que lhe da prazer sensorial, passam a vida desinformadas e muitas vezes defendendo causas que nem compreendem, sem noção que estão sendo manipuladas. Muitas vezes com um vocabulário limitado com menos de 300 palavras. Não conseguem acompanhar noticias reais sobre economia, aumento de criminalidade, corrupção de maneira critica, pois não conseguem nem mesmo formar uma opinião. Uma vez que a leitura em busca de conhecimento se torna tediosa, comparado com piadas, imagens de gatos brincando diante de celular, pessoas fazendo coisas engraçadas. Isso é o alfabetismo funcional que os que detém o controle das informações conseguem disseminar de maneira tal orgânica.

Assim,  dessa indústria de comunicação, por meio da veiculação desses conteúdo selecionados pelos meios de comunicação,  que são dotados do poder de atingir toda, ou quase toda, uma população, se cria a cultura de massa.








Símbolos sociais: Paradigmas, bolha social




Antes de qualquer coisa vamos analisar a famosa metáfora dos macacos e a banana abaixo:




















Como podem ver na metáfora dos macacos assim, a população no geral é pouco racional. Assimilando ideias e retransmitindo para as pessoas que vem vindo.  O homem sempre viveu em um mundo de símbolos e com o crescimento da tecnologia, revolução industrial, globalização, esses símbolos foram se multiplicando e engolindo a realidade.   Um ser humano ao nascer em determinada família e ou sociedade  ele aceitara as tradições e informações dada pelo seu meio como verdadeiras: Determinado time de futebol é melhor, determinada religião é a verdadeira, o partido político X é o  mais honesto, o fast food Y, e a marca de refrigerante W são incomparáveis, fulano é o rei da música pop, ou ainda se esse ou aquele ator é o rei das artes marciais. E isso passa de pai para filho, de professores para alunos, de políticos para o povo, sacerdote para a sua assembleia, e da mídia para a população global. Um exemplo interessante também a ser analisado é o mito do leite com manga.







Os senhores de engenho, durante a escravatura no Brasil, para conter o roubo de leite enquanto os escravos trabalhavam, que era um alimento exclusivo dos nobres, inventaram que a combinação entre manga e leite podia ser fatal. Esse mito continua até hoje.

Com a velocidade e impacto da explosão da mídia, alguns efeitos nocivos foram observados. Para muitas pessoas, sua concepção da realidade é obscurecida ou distorcida pelas mensagens transmitidas pela mídia. O rápido aumento do volume de informação e entretenimento trouxe um certo grau de homogeneização de diferentes sociedades, enquanto, paradoxalmente, as pessoas podem ser mais isoladas da sociedade em que vivem como resultado da penetração da mídia em suas vidas. A introdução de novas mídias, particularmente televisão em sociedades tradicionais, abalou costumes centenários, práticas culturais e estilos de vida simples, aspirações sociais e padrões econômicos.  

No extremo, a mídia moderna deturpou as tradições e distorceu padrões socioeconômicos e culturais seculares, estabelecendo um padrão de liberalismo global, como nova ordem.





Com o crescimento cada vez mais acelerado  das redes sociais, Facebook entre outros possibilitou que as pessoas criassem grupos e comunidades com gostos e interesses em comum e com isso surgiu um mecanismo chamado “algoritmo seletivo” que ajuda a potencializar esse distanciamento que já existia entre nós. O que antes conhecíamos por “tribos”, por exemplo, os “roqueiros”, os “nerds”.  O Facebook começou a escolher e determinar que tipo de conteúdo (e de quem) vai aparecer na sua timeline a partir dos posts que você curte, clica e comenta. E com isso você não consegue sair daquele circulo de informação construida para seu "perfil". Mesmo que tenhamos três mil amigos no Facebook, a timeline não  mostrar todos, somente o que mais interagimos dando likes e compartilhando. 

E além de ficar preso nessa bolha com noticias programadas para o seu perfil a partir de curtir e compartilhar as redes sociais ainda bombardeiam os seus usuários, com noticias e propagandas tendenciosas. Assim a inteligência artificial criada pelos centro de informação do mundo vai despersonalizando o individuo, transformando ele numa mente coletiva programada.










Tá, mas qual a importância disso para o sobrevivencialista urbano?




O Sobrevivencialista urbano nunca deve se deixar cegar pelo simbolismo e da cultura da indústria da  informação. Deve fazer de tudo para enxergar as coisas como são. Os perigos, os recursos, informações úteis e reais para seu desenvolvimento e proteção .com a avalanche de troca de informações, todas as pessoas se encontram de alguma maneira interligadas e comentam sobre tudo, mesmo não tendo qualquer conhecimento básico sobre qualquer assunto para formar uma opinião válida, gerando uma cadeia de desinformação, com aparência de conteúdo.


Abaixo veremos o quanto a detenção e propagação de informações podem se extremamente prejudiciais.



Sistema de governo: 






Como exemplo, podemos ver como Hitler tornou Paul Joseph Goebbels seu ministro da propaganda nazista. Ficou conhecido pelas suas capacidade oratórias em público e pelo seu profundo e fanático anti-semitismo, e sua crença na conspiração internacional judaica que o levou a apoiar o extermínio dos judeus no Holocausto.

O papel do novo ministro, era centralizar o controle nazista sobre todos os aspectos da cultura alemã e vida intelectual. Goebbels tinha esperança em aumentar apoio popular ao partido dos 37% obtidos em 25 de Março de1933 para os 100%. Outro objetivo, era transmitir às outras nações a impressão de que o NSDAP tinha o total e entusiástico apoio de toda a população.



Sistema de autodefesa:



É incrível como pessoas ainda hoje no século XXI, se deixam enganar ficando anos em uma determinada arte marcial, acreditando em fatos fantásticos e esdrúxulos que os maus profissionais os ensinam. E sem qualquer pesquisa continua passando para frente esses absurdos para outras pessoas. 
 
Uma exemplo que vi em determinada academia, foi um professor de determinado estilo tradicional, que sempre contava as mesmas história, que um dia acendeu uma vela, e colocou a vela dentro de uma cúpula de plástico transparente. E teria deixando só um buraco em cima da cúpula para vela não apagar, e depois de concentrar a energia cósmica, com um soco no ar  a meio metro de distancia da cúpula, teria apagado a vela dentro da cúpula, sem nem encostar.



Eu ouvi essa história umas oitenta vezes, e o mais incrível os alunos mais  velhos repetiam o feito que o mestre narrou, com uma crença como se eles tivessem presenciados. E os alunos novos com os olhos brilhantes, ficavam maravilhados com a possibilidades deles poderem concentrar a energia do universo. Seria cômico se não fosse trágico. e ter visto dois alunos dessa academia acabarem mortos na rua, e uma aluna esfaqueada.









Sistema Religioso:





Quantas pessoas sofridas e com problemas pessoais se entregam  a crenças que elas nem conhecem. Nunca leram seus livros, ou a história de onde vem tal doutrina. apenas aceitam o que o sacerdote lhes diz, e entregam o que lhes é sugestionados a entregar. Não é a toa que segundo pesquisas só no Brasil são registradas vinte novas organizações filosóficas e religiosas por dia. 



Sistema de ensino:


É óbvio que a melhor forma de controlar o povo, como o eterno curral eleitoral é pela educação. como no Brasil com formas didáticas cada vez mais ultrapassadas, e desinteressantes. E ambientes cada vez mais difíceis para os professores darem aula., e ainda com surgimento com ideologia absurdas disfarçadas de matéria escolar. Como a cultura de gênero, onde a criança é ensinada que não existe masculino ou feminino, e ainda que famílias tradicionais são erradas pois seguem  o heteronormativo. E ainda aprendem que podem escolher serem do sexo que quiserem, se vestir como o sexo que quiserem, e agir como o sexo que quiserem.



Sistema audiovisual:




Um caso bem ilustrativo foi anos atrás um dos livros mais vendidos no país, o livro “Medicina Alternativa de A a Z” era uma fraude. Apanhado de crendices e terapias não-avalizadas pelos médicos, ele ensinava a tratar doenças com "remédios" à base de ingredientes frugais. Para combater o câncer, recomenda que se coma apenas um tipo de fruta nas refeições. No caso do diabetes, indica a ingestão de suco de berinjela com argila. E por aí afora. Com capa dura, fartamente ilustrado e preço de 62 reais, o livro já havia atingido a marca dos dois milhões de exemplares comercializados e apareceu no topo da lista de mais vendidos, por quase seis meses. Suas vendas foram impulsionadas por uma campanha de divulgação maciça na televisão. 

Os editores compraram milhões de reais em espaço em diversos canais para veicular anúncios com a dançarina Sheila Mello. Além dela, apresentadores como Hebe Camargo, Ratinho e Gugu Liberato faturaram para tecer elogios ao livro, assinado por um certo Carlos Nascimento Spethmann. O problema é que esse autor não existe. Pior: a obra foi escrita sem a assessoria de médicos. Seus editores, o carioca Luiz Carlos da Silva e o paulista Marcos Spethmann Quiroga, são ex-comportores ¿ vendedores de livros de porta em porta, sendo na verdade um  manual de curandeirismo, que se tornou um dos maiores Best Sellers da época, chegando a fazer 40 milhões de reais em um ano.




Quantas mensagens vemos por dia, pseudo científicos, e se tornam famosas como por exemplo, a margarina feita com componentes que são usados para a fabricação do o plástico e na verdade no inicio seria ração de peru, mas como os animais morreram, os empresários tiveram a ideia de transformar em produto de passar no pão. 

Ou ainda que o energético Red Bull seria feito com esperma bovino. As pessoa compartilham essas noticias impressionadas, e depois ainda comentam com seus amigos imaginando que são verdadeiras.








Como se livrar da bolha e dos paradigmas







Já entendemos o perigo do controle de informações. E que os controladores das informações no mundo são lideres de grandes instituições (governos, igrejas e empresas). Enchendo o publico de informação sem qualquer conteúdo. O que torna mais fácil e simples a manipulação das massas. afastando cada vez mais elas do mundo real. Então o que podemos fazer para fugir desse controle:

Não viver no piloto automático: Portanto, fique atento quando estiver conectado nas redes sociais para não viver no piloto automático. Lidar com novos conteúdos também é importante, pois além de ajudar na quebra de paradigmas, amplia nossos horizontes e nos faz pensar um pouco fora da caixinha;

Investigue as fontes da noticia: Hoje tem sites especializados em denunciar as mentiras da internet. 

www.e-farsas.com

www.boatos.org

cacadordemisterio.blogspot.com 



Leia mais: Procure sempre ampliar seus conhecimento, aprenda a gostar de ler. Mas não apenas artigos divertidos. Mas principalmente novos conhecimentos. Para que  forme uma base para ter capacidade crítica;


Aceite sua ignorância: muitas pessoas sofrem de excesso de confiança, a crença de que  conhecem mais do que a pessoa média. Como resultado, podemos sentir-se menos críticos com a informação que reforça nossos pressupostos, ao mesmo tempo em que descarta qualquer coisa que discorda de nós;



 



Olhe para além da sua bolha: Na polarização grupal, as pessoas convergem naturalmente sobre os pontos de vista daqueles ao seu redor, em seus bairros físicos e virtuais. Então, tente conversar com pessoas com diferentes pontos de vista por conta própria e olhe para fontes de notícias que você normalmente não leria. Você pode se surpreender ao encontrar informações que questionam os fatos que você considerava como verdadeiros;



Fique atento com as opiniões fora das redes sociais: Muita gente acha que ambientes digitais como o Facebook, o Twitter, o Reddit ou qualquer outra aglomeração na web, refletem seu cotidiano com fidelidade. Isso é uma ilusão, afinal de contas, a maioria das pessoas seleciona o melhor de si para exibir por ali, muitas vezes de forma maquiada;



Evite fontes duvidosas:  Noticias com textos sensacionalistas, noticias fantásticas, e textos ofensivos e erros de português aberrantes, dificilmente seriam produzidos por uma empresa séria de conteúdo. Então evite;

Seja curioso: Todos poderíamos beneficiar sendo mais curiosos. Enquanto a educação por si só faz pouco para evitar o pensamento polarizado, as pessoas mais curiosas parecem avaliar as evidências científicas de forma mais equilibrada - para que não se cegarem pela ideologia existente;



Considere o contrário: Pergunte a si mesmo sobre a noticia que esteja lendo, se  teria feito as mesmas avaliações do redator, acerca do mesmo assunto, ou teria possibilidade de haver um outro lado da mesma questão. Sempre fuja da polarização, um professor meu da faculdade quando estávamos ensinando analise jurídica, sobre a parte de estudo exegético, nos ensinou sempre brincar em nossa mente, invertendo afirmações, do dia a dia, para aprendermos a enxergar melhor as diferentes abordagens sobre um assunto, igual o comercial de bolacha:

"Tostines vende mais por é fresquinho

Ou é fresquinho por que vende mais"






Não seja mais perpetuador da ignorância: compartilhe matérias que não saiba a veracidade, apenas depois que tiver certeza. Pois seu ato irresponsável pode ajudar a destruir reputação de pessoas, e instituições inocentes, criando uma rede irracional de ódio;

Use apps com diversidade de publicações: Ter fontes de informação variadas pode contribuir para você ter uma dimensão maior do que diferentes pessoas, grupos e instituições pensam. O Google Play Banca, desde 2013, vem se tornando um meio confiável e diversificado para buscar notícias, curiosidades, artigos e outros tipos de conteúdo. Atualmente, mais de 100 milhões de pessoas utilizam o app;




Ajuste seu feed no Facebook: Ainda que você não tenha total controle do que aparece na sua Linha do Tempo, há a possibilidade de ajustar melhor o que é exibido por ali. Para selecionar material relevante, e lembre-se que a ideia aqui é expandir horizontes e não procurar por mais do mesmo, é só clicar nas configurações de “Feed de Notícias”, do lado esquerdo, na rodinha. Aí é só você alterar a maneira como quer que o conteúdo seja mostrado.

Outra forma de evitar a bolha é mudar as especificações de anúncios. Basta ir no menu geral, na setinha do lado superior direito da página, e desativar os itens em que a rede social escolhe a publicidade baseada nos seus interesses;
Não deixe de seguir todas as pessoas que discordam de você: As diferenças são essenciais para que possamos criar um panorama mais abrangente da realidade, com mais pontos de vista para avaliar determinado assunto. Não é só porque você tem uma opinião bem fundamentada que ela seja a única correta e todos estejam errados. Manter gente que não concorda com o que você diz entre seus amigos pode trazer mais perguntas relevantes do que respostas banais;

Questione: quando o texto abusar de adjetivos e não trouxer muitos fatos, pessoas ou instituições que possam comprovar o que está escrito. Antes de dividir isso com todo mundo, leia com mais atenção todo o conteúdo, em vez de ver somente a chamada da matéria;

 
 
E o mais importante: Viva! Vá passear, saia vá conhecer lugares, vá ao cinema, teatro. Conheça pessoas reais, faça amigos no mundo real.  Corrupção do país, imoralidade na TV, violência aumentando, escândalo de artista, estarão sempre ai. Não estou falando que  não deva se preparar ou se atualizar sobre o que acontece em seu país. Mas não deixe de viver, quando você morrer o mundo vai, continuar violento, corrupto e a TV ainda vai estar vendendo sua visão distorcida da sociedade tradicional. Seja sobrevivencialista e combatente, mas uma das formas de desenvolver a sua opinião do mundo as vezes é  ficar um pouco de fora do rebanho. Para poder avalia-lo de maneira neutra.
  









Obras indicadas:




Livros:








Filmes:








Conclusão



É incrível como a maioria das pessoas se tornaram cegas e ignorantes devido a exposição de tanta informação. Mas isso aconteceu desde que homem primitivo começou a viver em grupos. Sempre há aqueles que instintivamente entendem os mecanismo para  controlar e influenciar pessoas.  E hoje na era da informação as coisas não são melhores, informações sem qualquer filtro percorrendo o globo inteiro em segundos. Diante disso, nós devemos fazer um trabalho de contra inteligência em relação a essas fontes de informação. Por meio de pesquisas em diversas fontes, e sempre procurando adquirir novos conhecimento, você deve ser capaz de ser uma pessoa com base para ter opinião madura para determinada área.

E você as vezes se sente perdido diante da avalanche virtual de informação? Ou sempre pesquisa as fontes das informações que chegam até você?

 

Dúvidas? sugestões? Deixem nos comentários. Se gostaram deem um curtir e compartilhem. E não esqueçam de clicar em um dos anúncios para nos ajudar a continuarmos com nosso trabalho. Muito obrigado.


 Prof. Marcos Antônio Ribeiro dos Santos

 

 

 

 

 

Colaboração:

Dr. David S.

 




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...