sábado, 28 de abril de 2018

Predadores urbanos: Serial Killers: Matar é como tomar sorvete?


A frase do título como será visto mais a frente foi a frase de um serial killer brasileiro. É um grande erro dizer que os serial killers não sentem emoções. Sim eles sentem, emoções negativas: Raiva, depressão, medo e prazer em ver dor e sofrimento, o troféus como veremos nada mais é do que uma forma de reencenar o prazer sentido diante da presa. Desde mechas de cabelo, joias, clipes de jornal do crime, ajudam a prolongar, até nutrir, a fantasia do crime, a reviver a fantasia. 

Nessa postagem vamos entrar um pouco mais na psique desses predadores urbanos, que para nós preparadores e sobrevivencialistas urbanos é de grande importância conhecer o funcionamento da mente dos lobos, para poder detecta-los e reconhecer os seus perfis.




Matar é como tomar sorvete?

 
Essa frase acima foi dita pelo serial killer brasileiro, o maníaco do Trianon, Fortunato Botton Neto. Foi condenado pela morte de sete clientes, todos entre 30 e 60 anos. Ele era garoto de programa, acertava os programas e seguia para o apartamento de suas vítimas. Lá, bebia com elas e depois as amarrava, assassinando em seguida com facadas ou golpes de chave de fenda. Em alguns casos, pulou em cima dos corpos das vítimas ao ponto de alguns órgãos internos saírem pela boca, nariz ou ânus. Preso, falou naturalmente, e sem nenhuma forma de arrependimento, dos assassinatos:
 
 “Matar é como tomar sorvete: quando acaba o primeiro, da vontade de tomar mais, e não para nunca” 


Pode parecer  que foi apenas uma frase pra chocar ou provocar as autoridades, mas não está longe da verdade. Como os psicopatas são incapazes de ter emoções sadias, o prazer deles vem de emoções negativas. Não têm "bússola moral", nenhuma consciência,  não experimentam sentimentos de culpa pelos crimes ou traições que cometem. Quando eles tem o poder total sobre as vitimas e podem sentir o seu medo e dor, ou ainda sentir a vida delas se esvaindo, pra eles é um prazer diretamente ligado a sexualidade.



Não é a toa que a maioria guarde souvenir de sua vitimas, pois nos momentos em que não caçando, ele pode reproduzir a sensação dos momentos em que esteve torturando e matando.  


A Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa tem algo bizarro em exposição, a cabeça do serial killer Diogo Alves, que foi morto em 1841.


Senso de 'propriedade'



Um estudo intenso no campo do assassinato em série resultou em duas maneiras de classificar os serial killers: um baseado no motivo e um baseado nos padrões organizacionais e sociais. O método de motivo é chamado de tipologia de Holmes. Para Ronald M. e Stephen T. Holmes, autores de numerosos livros sobre assassinatos em série e crimes violentos. Nem todo serial killer se enquadra em um único tipo, e muitos são mais de um tipo. Nenhuma dessas classificações explica o que pode realmente levar alguém a se tornar um serial killer. Porém,  muitos investigadores americanos acham o método útil quando estudam assassinatos em série.



De acordo com a tipologia de Holmes, os serial killers podem ser focados:

No ato de matar: Para assassinos com foco em atos, matar é simplesmente sobre o ato em si, eles matam rapidamente, pois o objetivo é apenas a morte. Dentro deste grupo, existem dois tipos diferentes: o visionário e o missionário . Os assassinatos visionários porque ele ouve vozes ou tem visões (que matam rapidamente), Os assassinatos visionários porque ele ouve vozes ou tem visões que o orientam a fazê-lo. O missionário mata porque acredita que ele deve se livrar de um grupo particular de pessoas. Como Jack o estripador que matava prostitutas.




No processo de Matar:  Assassinos em série focados no processo se divertem com a tortura e a morte lenta de suas vítimas, por isso matam lentamente. Estes incluem três tipos diferentes de hedonistas: luxúria, emoção, ganho, e assassinos em busca de poder. Os assassinos da luxúria derivam o prazer sexual de matar. Assassinos da emoção recebem a sua descarga de adrenalina. Os assassinos de ganho matam porque acreditam que vão lucrar de alguma forma. Os assassinos de poder desejam "brincar de Deus" ou estar no comando da vida e da morte.

 
Quando eles finalmente cometem um crime, é como se eles tivessem um senso de propriedade. É uma conquista e eles se sentem tão bem com o que fizeram que têm que continuar, como um atleta de 40 anos que está sempre tirando um velho álbum de recortes.
Troféus macabros

 Troféus do assassino Ed Gein.
Muitos de nós obtemos troféus por nossas realizações: jogos de futebol, campeonato de xadrez, artes marciais entre outros. Além da alegria de conquista-los toda vez que olhamos para eles em nossa estante, nos recordamos do momentos de nossas vitória. Para o serial killers os troféus que retira das vítimas tem o mesmo efeito. Eles pegam algo da vítima para dar à namorada por exemplo, ou apenas guardam.

É surpreendente como muitos assassinos retornam não apenas ao túmulo, mas também à cena do crime. E alguns assassinos,o tipo mais organizado ou premeditado, às vezes até se infiltram na investigação policial para fornecer informações falsas. Eles fazem isso por diferentes razões. Eles podem querer descobrir para onde a investigação está indo ou procurar pistas de que está progredindo bem porque, naturalmente, estão preocupados com isso.


Eles podem ir à polícia para bater papo, só para o caso de alguém tê-los visto ou fornecer uma descrição do carro, Como o serial killer Edmund Kemper, na imagem acima, que eram amigo dos policiais de sua comunidade, e com isso conseguia saber os detalhes sobre os seus assassinatos.
Um troféu é, como dito acima é em essência, uma lembrança. No contexto de comportamento violento ou assassinato, manter uma parte da vítima como um troféu representa poder sobre aquele indivíduo. Os infratores usam os troféus como recordações , mas também para reencenar suas fantasias. Eles muitas vezes se masturbam ou usam os troféus como adereços em atos sexuais. Seu medo exagerado de rejeição é reprimido diante de troféus inanimados. A obtenção de troféus ritualísticos, como é encontrada com criminosos em série, funciona como uma assinatura. Uma assinatura é semelhante a um modus operandi (um ato similar realizado ritualisticamente em praticamente todos os crimes de um infrator), mas é um ato que não é necessário para completar o crime.

Um anel, brincos, bijuterias ou algo que a vítima estava usando no Outros podem se livrar posteriormente, por exemplo da carteira da vítima, menos da foto, então eles só têm uma pequena foto da vítima, como se tivessem algum tipo de relacionamento. Nos casos mais sádicos, alguns assassinos tiram as mechas do cabelo da vítima, ou chegam a cortar a cabeça ou outras partes do corpo.


Eles acompanharão o caso muito de perto e manterão clipes de jornal de seus crimes. Isso é útil para o investigador - algo que você quer procurar quando inicia um mandado de busca.

Assassinos são notórios por manter clipes de notícias. Personalidades do tipo Assassino também manterão diários. O tipo desorganizado de criminoso,  que é do tipo antissocial, os solitários, os esquisitos - manterá os diários porque eles têm problemas para se comunicar com os outros, então eles se sentem muito mais confortáveis ​​escrevendo seus pensamentos, planos, objetivos ou fantasias. Sirhan Sirhan, que matou o senador Robert F. Kennedy, e Arthur Bremer, o pretenso assassino que atirou e paralisou o então governador do Alabama. George Wallace, mantinha diários descrevendo as fantasias que eles queriam representar.

 Jerry Brudos matava sua vítimas e colecionava seus sapatos.

É como no oeste selvagem, onde eles usaram para cortar entalhes em uma arma. A coisa toda parece que está revivida, e a  fantasia,  nunca acaba,  nem quando estão encarcerados. Como serial killer Jerry Brudos, na imagem acima, ele colecionava sapatos de suas vítimas, depois de preso pedia para que as lojas lhe enviassem catálogos de sapatos femininos para poder se masturbar.






Emoções Negativas


Durante anos, pesquisadores e psiquiatras entenderam que os psicopatas respondem de maneira diferente aos estímulos externos, e teorizaram que essa resposta anormal está enraizada no cérebro . Como dito acima eles sentem emoções, mas apenas emoções negativas: Raiva, depressão, medo e prazer em ver dor e sofrimento. A ideia é que os psicopatas processam as informações de maneira diferente dos não-psicopatas, e numerosos estudos científicos usando ressonância magnética funcional (fMRI) para visualizar a atividade cerebral têm respaldado isso. Em 2003, um estudo apresentado em uma conferência na Grã-Bretanha mostrou que quando as pessoas "normais" estão, há aumento da atividade no lobo frontal que sugere a experiência de culpa e desconforto; mas quando os psicopatas mentem, não há aumento da atividade cerebral. Um estudo anterior descobriu que quando os psicopatas viam palavras carregadas de emoção como "estupro" ou "assassinato", as mudanças em sua atividade cerebral eram completamente diferentes das mudanças que ocorriam quando os não-psicopatas viam essas palavras. O aumento da atividade cerebral nos psicopatas não estava nem no sistema límbico, que é onde ocorre o processamento da linguagem.

Em 2006, um grupo de cientistas de Londres publicou os resultados de um estudo que pode oferecer informações adicionais sobre a base biológica da psicopatia. Parece que os psicopatas podem experimentar os sinais do medo em outras pessoas de uma forma que não é comparável à maneira como a maioria de nós a experimenta. Na verdade, eles podem não realmente experimentá-lo.

O estudo se propôs a testar a ideia de que os psicopatas não experimentam empatia pela angústia de outras pessoas - não conseguem entender, sentir ou reagir apropriadamente a ela - porque não captam os sinais dessa angústia. Em particular, este estudo testou as respostas de nove pessoas "normais" e seis psicopatas criminosos aos sinais faciais e vocais típicos de medo e tristeza. Todos os sujeitos estavam ligados a equipamentos de fMRI que mediam suas respostas neurológicas aos estímulos. Neste contexto, "resposta" significa tipicamente aumento do fluxo sanguíneo e / ou aumento de transmissão das sinapses dos neurônios, os portadores de sinais cerebrais.

Os pesquisadores mostraram aos dois grupos de sujeitos dois conjuntos diferentes de imagens: um de rostos alegres e rostos neutros, e um de rostos medrosos e rostos neutros. As faces neutras estabeleceram uma linha de base para a atividade cerebral.

Quando os indivíduos não-psicopatas viram um rosto feliz, as regiões fusiformes e extrarregiaculares do cérebro - as principais áreas responsáveis ​​pelo processamento de imagens de expressões faciais, mostraram um aumento da atividade em comparação com sua resposta a uma face neutra. Os cérebros psicopáticos também mostraram atividade aumentada em resposta às faces felizes, embora menos do que no grupo não-psicopático. No entanto, enquanto os indivíduos não-psicopatas mostraram um aumento similar na atividade cerebral em resposta às faces aflitas, os sujeitos psicopatas não. Na verdade, quando os psicopatas mostravam rostos tristes ou com medo, seus exames cerebrais mostravam menos atividade neural do que quando eram mostrados rostos neutros.

Os pesquisadores concluíram que, em psicopatas, as vias neurais que supostamente processam sinais de sofrimento humano não são funcionais, ou funcionam de maneira completamente diferente do que aquelas vias de trabalho na população em geral. Isso poderia explicar, pelo menos em parte, por que os psicopatas não se identificam com o sofrimento emocional de suas vítimas.







Você sofre de Psicopatia?  


 

O teste a seguir é para determinar seu grau de psicopatia. Este teste foi baseado na Escala de Robert Hare, o maior especialista no assunto. Esta escala é usada por psiquiatras, portanto tente respondê-lo adequadamente como você realmente é, pois caso contrário o resultado pode não ser agradável.



O teste a seguir é para determinar seu grau de psicopatia. Este teste foi baseado na Escala de Robert Hare, o maior especialista no assunto. Esta escala é usada por psiquiatras, portanto tente respondê-lo adequadamente como você realmente é, pois caso contrário o resultado pode não ser agradável





Obras indicadas:

Livro:

 


Séries:
 








Conclusão




Como vimos dizer que os psicopatas não tem emoções é um erro, já que possuem emoções negativas: Raiva, depressão, medo e prazer em ver dor e sofrimento. Os troféus são provas de como não só sentem prazer, mas querem revive-los, olhando e manipulando os despojos de sua vítimas. E que matar para eles é um vício, pois apesar dos riscos é o momento único onde ele realmente sente alguma emoção real, e até mesmo algum  poder ou controle de sua existência, já que se sentem isolados da maioria das pessoas. Muitos chegam até a ter famílias e filhos e ser um bom vizinho e colega de trabalho, mas sempre se sentem isolados do resto da raça humana. Então guardar um troféu, entre outras coisas, é uma das poucas formas que possuem de ter alguma intimidade com alguém, ainda que seja como forma de uma fantasia.



Esse da imagem acima é Patrick Bateman, o serial killer do filmes Psicopata Americano, e sim, ele ficava feliz e fazia dancinha depois que matava.

Dúvidas? sugestões? Deixem nos comentários. Se gostaram deem um curtir e compartilhem. E não esqueçam de clicar em um dos anúncios para nos ajudar a continuarmos com nosso trabalho. Muito obrigado.

  

E não esqueça de  visitar nossa biblioteca sobrevivencialista virtual, clicando na imagem abaixo: 


http://centrodeestudomars.blogspot.com.br/p/biblioteca.html


Prof. Marcos Antônio Ribeiro dos Santos

  

Colaboração:

Dr. David S.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...