quinta-feira, 10 de maio de 2018

Combate Urbano: Imprevisiblidade: Abraçando o Caos interior


Todos sabemos o quanto pode ser imprevisível a nossa vida diária. Justamente por isso que o sobrevivencialismo foi adotado como forma de vida e depois desenvolvido com o tempo de forma técnica. Pois a imprevisibilidade trás o caos. Não que o caos seja necessariamente ruim, pois muitas vezes nos molda e nos torna mais forte física, mental e espiritualmente.  Então além de trazer uma oportunidade ela também pode e deve ser adotada como uma estratégia. Ser imprevisível pode lhe dar muita vantagem em relação ao rebanho. Como dissemos em várias postagens na rua não há regras sociais, moral, ética, honra e vamos  ver a riqueza que podemos aprender para o combate urbano em termos de legitima defesa, quando nos livramos da ilusão de limites. água, divisão de categoria de peso, número de adversários, ou armado. 

Aqui nessa postagem vamos mostrar que o comportamento imprevisível quando se trata de  autodefesa é uma ótima opção tática para salvar a sua vida e de sua família em situações extremas onde as chances de vitória não estão a seu favor, e ao mesmo tempo não há como fugir,  pode estar acompanhado de seu filho por exemplo. Então hoje vamos mergulhar no mundo do imprevisível, para poder enxergar possibilidades  infinitas, já que a imprevisibilidade, possibilita a visualização de diversas variáveis, sendo essa a diferença da genialidade e da mente comum.




Observação importante: As informações presentes nesta matéria são para o público maior de 18 anos, para fins de conhecimento didático, e treinamento combativo baseado na legítima defesa e estrito comprimento legal que estão em nossa constituição e Código Penal. O uso indevido dessas informações, bem como suas consequências é de responsabilidade única e exclusivamente de quem praticar e desobedecer a lei. Então use o cérebro.



Depois de ler a mensagem acima podem iniciar a leitura do artigo abaixo:






A Ordem é antinatural 
 
 

A nossa sociedade é predominantemente construída por valores onde prevalecem o materialismo, a lógica e a objetividade. É como se de alguma forma, desejássemos ter o controle de todos os aspectos da nossa vida, e não acreditássemos na casualidade. O caos e sua aleatoriedade quebra a ordem pré estabelecida do rebanho. Elas preferem situações mais estruturadas, com regras estabelecidas onde cada pessoa tem o seu papel fixo (o papel de bom pai, a boa esposa, o filho obediente, os amigos fiéis, etc). Elas preferem situações mais estruturadas, com regras estabelecidas onde cada pessoa tem o seu papel fixo (o papel de bom pai, a boa esposa, o filho obediente, os amigos fiéis, etc).




As ovelhas vivem em negação em relação ao caos. E preferem viver em um mundo imaginário perfeito com regras e condutas morais, onde o primitivismo e a violência não existe.  O que as deixam em pânico e  paralisadas com a aparição dos predadores. Muitos modelos de causalidade são utilizados para explicar os fenômenos, seja nas ciências a nossa volta: Como o efeito borboleta, efeito dominó, entre outro vários outros para que possamos assimilar a aleatoriedade da causa e efeito dos fenômenos a nossa volta.
 
A não aceitação do caos, fez com que a humanidade na idade antiga e na idade média, criarem deuses e seres fantásticos, para poder explicar os eventos não controláveis a sua volta. Era mais fácil aceitar ou responsabilizar figuras fantásticas, do que assumir a sua falta de preparação para o desconhecido.

Para os  nórdicos adoravam, os trovões eram obra do deus Thor. 

Assassinos em série e canibais que matavam nas florestas, eram tidos como vampiros e lobisomens, pois o homem comum não acreditava que oputro ser humano podia fazer tais crueldades.



Na época das grandes navegações, baleias, marémotos, tornado eram descritos como monstros marinhos.

A vida diária é regida pela imprevisibilidade, e a inevitabilidade entrópica. Tudo no universo está em rotação e em estado de mudança, a não adaptabilidade para o caos, o deixa cego pra as variáveis em diversos aspectos de sua vida.   Mesmos as leis da física a nossa volta baseadas lei do determinismo de causa e efeito newtoniana, onde só existe uma ação e reação, foi derrubada pelo principio de incerteza de Heisenberg, nos mostrando que nem tudo segue uma determinada, ordem ou resposta pré determinadas. O autor, ensaísta, estatístico, e analista de riscos líbano-americano e matemático  Nassim Nicholas Taleb criou a teoria do cisne negro, nos mostrando que não é por que  nunca viu determinado evento ele não ocorrer. De acordo com essa teoria deviríamos nos preparar para qualquer evento por mais absurdo que seja, para estarmos prontos para  o surgimento de tal evento. Eventos imprevisíveis e pouco comuns são chamados de cisnes negros.


Por exemplo, quando  entra na igreja você olha as saídas? Olha com atenção as pessoas próximas a você? observa alguém que está com alguma atitude suspeita, ou com alguma jaqueta ou blusão volumosa como se estivesse guardando algo que não quer que ninguém veja, como entra alguma arma? Pode parecer um  absurdo que enquanto você está na igreja em celebração, entre alguém armado e comece a disparar nos fieis. Será?  Afinal pessoas com distúrbios mentais estão em todo lado. As mentes dos gênios, conseguem grandes prodígios pelo fato de suas mentes. Um gênio é uma pessoa que exibe excepcional capacidade intelectual, produtividade criativa, universalidade em gêneros ou originalidade , tipicamente em um grau que está associado à conquista de novos avanços em um domínio do conhecimento. Um bom exemplo é Albert Einstein com a teoria da Relatividade.



A mente do rebanho geralmente vive em negação em relação ao imprevisível, Mas o que isso tem haver com sobrevivencialismo ou combate urbano? Você já imaginou por que muitos criminosos tem sucessos em suas empreitadas? Por que  justamente por viverem a "margem" da lei, estão fora das regras do rebanho. E isso os fazem tomar atitudes inesperadas que chocam e tomam todos de surpresa.  

Veja o poder da imprevisibilidade usado pelos grupos terroristas. Os Estados Unidos, o maior e mais forte exército do mundo, não conseguem impedir um grupo de rebeldes imprevisíveis e “loucos” que supostamente vivem em cavernas no deserto e a maioria deles não fala inglês. Eles não têm armas de alta tecnologia, nenhum poder centralizado e os EUA estão gastando bilhões de dólares para combater o fantasma do terror.

Os rebeldes são imprevisíveis e são de fato loucos pelos valores ocidentais. Eles vão amarrar bombas aos homens, mulheres e crianças para destruir seus inimigos e é impossível dizer onde e quando eles vão atacar. A natureza imprevisível de um terrorista é o que lhe dá poder.



Essa negação e despreocupação com o imprevisível, trás como consequência a paralisia durante qualquer sinal de quebra de ordem. Pois o nosso cérebro o menor segundo sinal é enviado para o hipotálamo, uma seção do cérebro responsável pela produção de hormônios. O hipotálamo desencadeia nosso sistema nervoso autônomo - que é como nossa luta ou instinto de fuga começa a se manifestar. A frequência cardíaca e a pressão sanguínea sobem, e a adrenalina e a dopamina (o "hormônio da recompensa" do cérebro) são bombeadas pelo corpo. Isso ajuda nossos corpos a se prepararem para o combate mortal ou a fuga. No caso a falta de preparo a capacidade de reação é quase nula.


Por isso, o combatente urbano deve se adaptar não só ao imprevisível, mas se tornar imprevisível,  para encontrar  respostas inusitadas,  afinal  sobrevivencialismo é isso. Nem sempre consegue tudo o que deseja, e não consegue controlar o outro. Por isso que artes marciais tradicionais tem que ser descartadas, pois elas trabalham em cima de movimento pré estabelecidos, sequenciais, enumerados, as chamadas formas. Qualquer ação inesperada como um simples soco no nariz, faz o praticante tradicional, esquecer e se perder em milhões de pensamentos sobre qual movimento mais lógico diante da situação que o cerca. Em segundos se ve cercado em um mundo de caos incontrolável, com todos o seu acervo de movimentos lógicos milenares, está indefeso.

Em caso de vida ou morte isso poderá salvá-lo, fazer o inesperado, quebrar limites lógicos. Certa vez no Rio de Janeiro, um homem atravessando com seus dois filhos em uma faixa de segurança, chamou atenção de um motorista que quase os atropelou, mesmo o sinal estando fechado. O motorista aparentemente um praticante de musculação saiu do carro com uma barra de ferro. E se aproximou do pai que estava com as crianças. E sem discutir acertou sua cabeça com a barra, voltou para o carro e foi embora. O homem foi socorrido, mas ficou com a capacidade mental comprometida, como uma criança de quatro anos. O que deveria ter feito? Ele não podia fugir por que estava com as crianças? Por outro lado o homem era o dobro do seu tamanho, e armado com uma barra de ferro. Os seres humanos muitas vezes têm medo do imprevisível,  do que não podem controlar. E diante de tais adversidades muitas vezes vem a paralisia física e cognitiva.

Um bom exemplo foi um caso ocorrido, nos EUA no estado da Geórgia, onde  o policial Kyle Dinkhelle, parou o motorista Andrew Howard Brannan, por excesso de velocidade. O motorista desceu da Pick up e começou a dançar e bater palmas. O Policial apesar de estar armado ficou surpreso com a atitude do Motorista, que usou a técnica da imprevisibilidade, quebrando qualquer tipo de resposta lógica aprendida pelo policial em seu treinamento. O resultado disso foi que o motorista pode golpear o policial e matá-lo, como podem ver no vídeo abaixo:





No filme Guardiões da Galáxia, vemos Peter Quill usando a mesma tática do motorista acima, no confronto com o poderoso Ronan.

E você que achou a tática do Peter Quill idiota.

Um outro exemplo um professor universitário, também no Rio de Janeiro, estava andando a noite indo para sua casa, quando observou um rapaz que se aproximava e percebeu que ia ser assaltado, até por que já tinha sido assaltado duas vezes antes. Ele pensou na  coisa mais absurda possível. Se jogou no chão e começou a se debater como louco e a gritar   era o demônio, e rolou de um lado para o outro. O criminoso parou, e correu sentido ao contrário. Apesar de ser estranho essa história mas observe o criminosos teve a mesma reação do policial americano, ficou confuso com uma ação não esperada. Como colocar o fator do Caos no seu treinamento de auto defesa.






Perigoso, imprevisível e funcional



No combate urbano a imprevisibilidade é uma ótima estratégia, imprevisibilidade nada mais é do que surpresa tática. Agir de maneira imprevisível, não é agir de forma irracional, e irresponsável muito pelo contrário.  Ser imprevisível é ser estratégico e fazer a ação menos esperada possível frente ao ao inimigo e deixa-lo confuso e sem ação. Por isso mesmo que artes marciais que se baseiam em movimentos pré treinados com ataques e contra-ataque específicos enumerados sempre fracassaram frente a realidade da violência e do caos.


 
Artes marciais tradicionais se baseiam em movimentos treinados exaustivamente com regras e posicionamento exatos, sendo pouco efetivo na imprevisibilidade do ataque inimigo.


Porém para ser imprevisível, o combatente urbano tem que ter várias opções de possíveis respostas, para escolher estrategicamente o que melhor deixará o seu inimigo sem ação e confuso. Como o inimigo espera que eu reaja? Como posso reagir contra as expectativas deles e tornar mais fácil para eles reagirem de maneira favorável? Então aqui algumas dicas:



Kit de autodefesa: Carregue seu kit autodefesa, com inúmeras armas.




Autodefesa: Treine combate em todos os níveis: trocação, projeções, solo, lâminas, bastão... Tenha um bom acervo de técnicas de combate voltado pras ruas, e procure adaptar seu treino para vários ambientes e várias circunstâncias por mais absurdas que pareçam.




Armas Improvisadas: Adapte técnicas extremamente violentas rasgar,  cortar, cegar com aramas improvisadas. Faça um exercício e olhe tudo a sua volta sempre que estiver em um ambiente novo. O que faria em um restaurante, atravessaria o garfo no olho do adversário e pularia e deslizaria por trás das mesas do estabelecimento?


 
Imaginação além dos limites: Treine sua mente para o imprevisível, imagine situações absurdas e extremas acontecendo dentro do seu trabalho, restaurante, shopping, igreja, casa... E imagine mil formas que que usaria para fugir ou sobreviver. A mente não entende realidade ou fantasia, ela assimila do mesmo jeito. 




Violência Modo Possessão: Em uma situação desvantajosa e sem capacidade de fuga: rasgue, morda, fure olhos, cuspa, fure. Liberte seu demônio interior.


Não demonstre suas emoções: Não demonstre as suas emoções, e nem demonstre o que vai realmente fazer, a não ser que esteja querendo engana-lo, fazendo ter uma reação que possa te dar vantagem. 


Lembre-se: Esses tópicos acima são apenas exemplificativos, crie sua próprio sistema de imprevisibilidade de ataques e técnicas. Para combater comportamentos previsíveis, você precisa responder com um comportamento imprevisível. Seja imprevisível, isso lhe dará poder e liberdade para deixar o outro lado no limite.






Obras indicadas


Livros:










Série:


Essa ótima série inglesa mostra a Sherlock Holmes sempre preparado para o imprevisível, com uma forma própria de ver o mundo diferente das outras pessoas.





Conclusão


Pensar no imprevisível e ser imprevisível é o que diferencia o sobrevivencialista e combatente urbano do resto do rebanho. Só podemos melhorar nossa capacidade de respostas, entendendo as inúmeras capacidades de variáveis de todos os eventos que nos cerca. Desde de uma queda econômica, até uma simples discussão de trânsito. O demônio está nos detalhes. De nada adiantará tanta preparação física ou psicológica, se  treinar sua mente para raciocinar de maneira linear e metódica. A maioria das situações que necessitam do conhecimento sobrevivencialitas são em meio a caos: desabamentos, assaltos, incêndios. Assim devemos pensar no imprevisível.

Por outro lado devemos nos tornar imprevisíveis também. para surpreender nossos inimigos. A genialidade muitas vezes foi confundida na história humana com loucura, já que ambas são formas de ver o mundo por outro espectro. No caso do Combate Urbano, na hora que sua vida estiver em risco, não pense em regras morais ou sociais, fuja das regras e se torne o pior pesadelo infernal que pode ser. Isso com certeza intimidará seus adversários, e poderá salvar a sua vida.


Dúvidas? sugestões? Deixem nos comentários. Se gostaram deem um curtir e compartilhem. E não esqueçam de clicar em um dos anúncios para nos ajudar a continuarmos com nosso trabalho. Muito obrigado.

  

E não esqueça de  visitar nossa biblioteca sobrevivencialista virtual, clicando na imagem abaixo: 


http://centrodeestudomars.blogspot.com.br/p/biblioteca.html


Prof. Marcos Antônio Ribeiro dos Santos

  

Colaboração:

Dr. David S.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...