sexta-feira, 8 de junho de 2018

Cuidados com o Uber: De Roubos, estupros a homicídio


Golpes, roubos, estupros e até homicídio. São inúmeras as denuncias, e crimes apurados contra dessa nova plataforma de serviço que viralizou em todo mundo, o Uber. E esses crimes são praticados tanto por falso motoristas quanto motoristas cadastrados. Sem qualquer tipo de treinamento, os motoristas dessa plataforma são praticamente autônomos, e além disso os falsos motoristas de Uber também aproveitam a popularidade desse meio de transporte para abordar vítimas. 

Os usuários da UBER devem tomar cuidados na hora de requisitar tal serviço. Hoje vamos estar abordando estes perigos e quais os devidos cuidados a serem tomados.




Serviço atrativo a predadores


Com treze milhões de desempregados no Brasil, a Uber se tornou forma de fonte de renda, com isso houve o crescimento da Uber que, em três anos, passou de 1.000 para 30.000 motoristas cadastrados. Porém, esse tipo de serviço atrativo a predadores urbanos, uma vez que facilita a abordagem de vítimas de forma fácil e convincente. E as várias ocorrências envolvendo verdadeiros e falsos motoristas de Uber são cada vez mais crescente, desde de assédio sexual, sequestro, extorsão roubo, estupro e até roubo de dados dos usuários. Casos como ocorreu na zona sul de São Paulo estão se tornando muito comuns. Uma mulher de 31 anos denunciou ter sido vítima de um sequestro relâmpago ao entrar em um carro do Uber, na Vila Olímpia, zona sul paulistana. Ela ficou por cerca de quatro horas com os ladrões, foi agredida, ameaçada de morte e teve de sacar R$ 3,4 mil em agências bancárias e gastar R$ 2,6 mil em uma loja de tênis para os assaltantes. Ao relatar o caso à polícia, a vítima tinha dúvidas sobre o envolvimento do motorista no crime, foi registrado boletim de ocorrência por extorsão. O motorista também foi suspenso pela empresa.

Uma das ações muito comum entre os criminosos, quando veem alguém em um ponto de táxi, ou na calçada e percebem que estão esperando alguém, se aproximam com o veículos perguntam se a vítima está esperando  um dos veículos da empresa. Pessoas mal intencionadas se aproveitam do fato de os carros do Uber não terem nenhuma identificação externa.
     
Em outra ocorrência, a Divisão Especializada no Atendimento à Mulher de Belém (Deam) prendeu em flagrante,  um homem acusado pelo crime de estupro. Ele é suspeito de se passar por motorista da Uber. Segundo a Polícia Civil, o acusado foi identificado como Magno Guerra. A Polícia Civil informou ainda ter conhecimento de seis vítimas do acusado.

"Ele se identificava como Uber. Abordava as vítimas em saída de festas", informou a PC.

Oito casos já estão registrados na Delegacia e sendo apurados pela Deam em que ele foi reconhecido.

Magno Guerra, investigado em  oito casos de estupro.

Com o anúncio adesivado em um ponto de ônibus da cidade, de forma um anônima oferecia os serviços do Uber a partir de uma simples ligação, sem intermédio do aplicativo. Assim, sem saber, pessoas estão contratando falsos motoristas e correndo riscos, já que para ofertar as caronas pela empresa, o condutor precisa estar obrigatoriamente cadastrado no aplicativo, e só assim, solicitar o embarque.

A Uber vem se envolvendo em uma série de escândalos recentemente, incluindo denúncias de assédio, e bullying em seus escritórios nos Estados Unidos, além de relatos de estupro cometido por motoristas em vários países do mundo. O mais famoso deles aconteceu na Índia, sendo que um ex-executivo da companhia chegou a ser demitido por ter obtido, de maneira ilegal, os registros médicos da vítima. Aqui no Brasil, relatos de que a qualidade do serviço vem caindo pouco a pouco pipocam constantemente nas redes sociais.

 Escritora Clara Averbuck, suposta vítima de estupro.


Clara Averbuck, escritora de 38 anos, publicou em seu Facebook que foi estuprada por um Uber em São Paulo, quando estava voltando para casa bêbada. O caso  trouxe à tona o assunto do assédio e abuso sexual cometido por motoristas de serviços de transporte de passageiros contra mulheres. O resultado foi a criação da hashtag #MeuMotoristaAbusador, que já reúne diversos depoimentos do tipo nas redes sociais. Apesar de o estupro cometido contra a escritora ter acontecido em uma corrida com o Uber, a hashtag já reúne depoimentos de diversas mulheres que sofreram violência sexual também em outras modalidades, como os táxis, pedindo ou não a corrida por meio de um aplicativo, como o 99.

Entre os relatos, que crescem a todo instante, estão denúncias que vão desde cantadas aparentemente inofensivas, como “você é muito bonita”, até investidas físicas, como passadas de mão nas pernas das passageiras, ou, até mesmo, o impedimento de abrir a porta enquanto não desse atenção para o abusador. Algumas mulheres contam que passam números falsos de telefone para o motorista liberar a abertura da porta; já outras, que não puderam evitar que o motorista as chamassem pelo WhatsApp (já que o Uber dá acesso ao número de celular do passageiro para o motorista caso haja necessidade de contato), contam que receberam cantadas e até ameaças pelo mensageiro.



O Motorista assassino Tarek H. e a vítima  diplomata Rebecca Dykes



Um homem, identificado apenas como Tarek H., foi preso em Beirute, capital do Líbano, por matar uma diplomata inglesa. Ele seria motorista de Uber. Ele admitiu que a matou enforcada, após tentar estuprá-la, segundo agências de notícia locais. Imagens de câmeras de segurança levaram as autoridades até o apartamento do suspeito. A diplomata Rebecca Dykes também já havia trabalhado como professora em uma escola pública no Reino Unido. No dia do crime, a inglesa saía de uma festa quando chamou o Uber para retornar à casa dela. O corpo da vítima foi encontrado horas depois jogado ao lado da pista, com uma corda no pescoço.
E um outro escândalo contra a empresa do Uber, foi nos Estados Unidos onde em um ataque de  hackers  roubaram dados pessoais de 57 milhões de usuários e de motoristas. Neste caso, além do prejuízo de imagem gerado pelo roubo em si, existe uma agravante: o vazamento ocorreu em outubro do ano passado, e por todo esse tempo foi ocultado pela empresa, que optou por pagar US$ 100 mil aos criminosos. Os dados roubados incluíram nomes, endereços de e-mail e número de telefones de 50 milhões de usuários em todo o mundo. 

Roubo de dados de 50 milhões de usuários em todo mundo.

As informações pessoais de cerca de 7 milhões de motoristas também foram acessadas, incluindo algo como 600 mil números de carteiras de motoristas norte-americanos. Em razão do ocorrido, o Chief Security Officer foi desligado da empresa, que somente agora decidiu revelar o fato de ter pago resgate para os criminosos deletarem os dados roubados e não divulgarem o vazamento. Na opinião de John Gunn, Chief Marketing Officer da Vasco Data Security, o vazamento de dados da Uber é alarmante não somente por sua magnitude, mas principalmente pelo esforço intensivo que a empresa parece ter feito no sentido de esconder o roubo, violando a confiança de seus clientes e provavelmente as leis que exigem transparência nesses casos.




Cuidados ao solicitar esse tipo de serviço


Em primeiro lugar, um dos cuidados básicos para evitar os perigos ao solicitar um Uber é ficar atento para as regras do serviço. Todos os motoristas devem estar cadastrados, e a foto aparecer no aplicativo baixado no celular. Ninguém pode fazer o trabalho sem estar regularizado, então o aplicativo é o seu principal meio de segurança, dito isso, vamos as dicas:

Não fique na calçada: Outra dica importante, é não ficar na calçada com o celular na mão, pois além de correr risco de assalto, demonstra estar aguardando carro chamado por aplicativo, o que dá margem a criminosos de se passarem por motoristas da UBER. Geralmente, os carros da UBER param próximo da localidade chamada pelo cliente, com margem de erro que pode variar em torno de 50 metros. Eles têm a orientação de parar o carro e ligar o pisca alerta.

Confira os dados aplicativo: Quando o passageiro chama um motorista, de imediato já aparece para o usuário o nome do condutor com foto, modelo e placa do carro, evitando assim, entrar em um carro errado. Portanto, ao solicitar veículo por qualquer aplicativo, procure permanecer dentro de algum estabelecimento ou residência e aguarde o carro chegar. Ao notar que um veículo parou nas imediações, confira a placa, se for a correta caminhe em direção ao automóvel, mas antes de entrar pergunte o nome do motorista e confira os demais dados, principalmente a foto. Se conferir com o constante no aplicativo, entre rapidamente. Havendo discordância, não prolongue a conversa, deixe rapidamente o local no contra fluxo de direção, pois a possibilidade de assalto é grande.


Acompanhe o caminho que o carro está fazendo: O aplicativo mostra o carro a caminho. Se no mapa parece que o carro vai chegar pela direita, e ele chega pela esquerda, tem algo estranho aí. Se parece que ele está na rua de trás, provavelmente não é o mesmo carro que encostou ao seu lado. Fique atenta!

Sempre cheque a placa do carro: Quando o aplicativo seleciona o carro que vai atender sua chamada, ele informa a placa, modelo e marca do carro. Mesmo se você não souber a diferença entre um Chevrolet Celta e um Honda HR-V, você pode identificar o carro pela placa. Nunca entre no carro sem checar se a placa informada no app corresponde à placa do carro.

Nunca diga seu nome antes do motorista: Se você tem o hábito de perguntar “esse carro é para a Fulana?”, pode tratar de mudar. O motorista tem acesso ao seu nome, e em geral ele mesmo pergunta, até para a segurança dele. Espere que ele pergunte, e então você pode confirmar.

Verifique se o motorista está usando o aplicativo: Em geral os motoristas deixam o celular com o aplicativo aberto no painel do carro. Lá, antes deles iniciarem a viagem, você pode ver seu nome e sua foto. Isso confirma que aquele motorista é o que foi designado para atender seu chamado.

Compartilhe sua localização: Você pode enviar para seus amigos e familiares um link que mostra onde você está enquanto está no Uber. Basta entrar no menu da viagem e clicar em “Compartilhar rota”. Dessa forma a pessoa que receber a mensagem com link poderá ver em tempo real onde você está, se está mesmo a caminho de casa ou de qualquer que seja seu destino.


Alterne os aplicativos: Muitos motoristas do Uber são também da 99Taxis e Cabify. Dessa maneira, quando um não está ofertando corridas, basta ligar o outro. Alguns Ubers ligam o aplicativo só na hora de ir para casa, já que o serviço tem a função de selecionar uma corrida no caminho ou próxima ao destino do motorista.


Assédio sexual: Caso a mulher seja importunada durante a corrida, ela pode gravar o áudio em seu celular e usar esse conteúdo como prova do acontecido. Outras informações, como o trajeto feito pelo motorista, também poderão servir como evidência. Vale lembrar que a Uber mantém o registro das rotas feitas em cada viagem e, caso solicitado pelo passageiro, analisa se houve desvio do caminho traçado. Vá a uma delegacia e faça uma denúncia podendo utilizar os dados do motorista disponíveis no aplicativo e deve também entrar em contato com a Uber para relatar o acontecido. A assessoria de imprensa da empresa explica que é seu interesse colaborar com a investigação e que trabalha para que os passageiros se sintam seguros.

Ressarcimento: A empresa, por sua vez, poderá responder civilmente, o que quer dizer que poderá ficar responsável por pagar indenizações à vítima, inclusive em caso de danos morais. 

Sempre avalie: Caso você tenha alguma experiência ruim dentro de um Uber, é importante avaliar o motorista para ajudar as pessoas que o chamarão depois. O mesmo vale para experiências positivas, afinal, é importante saber também se o motorista é confiável. Os motoristas precisam ter, na avaliação, média de 4,6 estrelas (em uma escala de 1 a 5) para continuar como parceiros do Uber. Caso o motorista tenha sabidamente agido de alguma maneira que viole os termos de uso do aplicativo, ele também é excluído da plataforma.



Não esqueça seu Quite de autodefesa: Você com combatente urbano nunca esqueça do se EDC de combate Urbano. E também lute pelo seu direito constitucional de auto defesa. Entre para grupos e movimento pelo direito porte de arma de fogo.





Obras indicadas:

Livro




Filme




Conclusão



Com o aumento do desemprego o serviço do Uber hoje conta com milhares de cadastrados. Mas esse tipo de serviço devido o fácil contato e abordagem com possíveis vítimas acaba sendo muito atrativo para predadores urbanos. Roubos, estupros e até homicídio já foram registrados, então se faz necessário ao solicitar esse tipo de serviço seguir alguns cuidados básicos. As informações do veículo e do motorista, inclusive a foto estão no aplicativo, sendo está a sua principal forma de segurança para poder verificar falsos motoristas. E se for vítima de algum tipo de abuso por parte do motorista, vá a delegacia e faça um boletim de ocorrência, e ainda poderá entrar contra a empresa para ser ressarcido pelo transtorno sofrido. 


Dúvidas? sugestões? Deixem nos comentários. Se gostaram deem um curtir e compartilhem. E não esqueçam de clicar em um dos anúncios para nos ajudar a continuarmos com nosso trabalho. Muito obrigado.

  

E não esqueça de  visitar nossa biblioteca sobrevivencialista virtual, clicando na imagem abaixo: 


http://centrodeestudomars.blogspot.com.br/p/biblioteca.html


Prof. Marcos Antônio Ribeiro dos Santos

  

Colaboração:

 Dr. David S. 

 

Conheça Também:

Conheça nosso Canal no Youtube:

Conheça nosso canal do Facebook:

   

Trailer do Canal:

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...