segunda-feira, 30 de julho de 2018

Sobrevivencialismo Urbano: Ditadura do Silêncio e a Hegemonia do Politicamente Correto



Na semana  passada  uma noticia de grande repercussão que viralizou em todas as redes sociais do mundo, e sites de noticia. O diretor dos conhecidos filmes de grande sucesso "Os Guardiões da Galáxia" foi demitido da Disney por causa de twitt de uma década atrás onde ele havia postado piadas  idiotas com teor sobre estupro e pedofilia, e ainda  perdeu a posição de produtor de uma série da Amazon que estava desenvolvendo, uma vez que o seu nome estava relacionado com temas politicamente incorretos. 

Muitos astros, inclusive o protagonista que interpreta Drax, Dave Bautista publicou no Twitter uma resposta.  Bautista disse:

“Agora será assim! Nunca cometa um erro! Nunca tenha senso de humor! Nunca seja politicamente sincero! Etc… o Ca**lho da Etc!”

Isso fez as redes sociais tocar novamente num tema que vem a cada dia se mostrando perigoso para o futuro do mundo: Sobre a ditadura do politicamente correto, onde todas as pessoas devem se calar  e se inclinar aos moldes de uma nova sociedade sem personalidade, e liberdade critica.  Mas esse controle estabelecido por meio de movimentos ONGs e associações foi desenvolvido cuidadosamente durante décadas se transformando na melhor ferramenta de domínio. Onde o dominado se sente protegido e ainda luta a favor dos seus dominadores em troca de pequenos benefícios ocasionais, esse controle como veremos teve uma forte base no conceito de Hegemonia de Antonio Gramsci.





Terror vermelho


Todas as (…) grandes e pequenas nacionalidades estão destinadas a desaparecer (…) na tempestade revolucionária mundial (…). (Uma guerra global) limpará todas (…) as nações, até os seus nomes. A próxima guerra mundial resultará no desaparecimento da face da Terra não só das classes reacionárias (…) mas (…) também dos povos reacionários.

                                                                               Frederich Engels


Como percebeu e argumentou  o ator Bautista,  vivemos em um mundo perigoso, onde a liberdade de expressão, e o livre arbítrio foi substituído pelo medo,  e pela ditadura do uma ideologia do politicamente correto.  E esse controle é tão perfeito que entra nos lares de maneira tão imperceptível e substitui antigos valores por nada, apenas pela aceitação do que é imposto como correto. Um tempo atrás estava nas redes sociais uma foto de um menino de um país de terceiro mundo bebendo água suja de uma poça em um chão de barro. Em baixo tinha uma legenda: enquanto os Estados Unidos gastam bilhões em absurdos como programas espaciais, são incapazes de investir em uma medida de acabar com a fome mundial. 

Em um primeiro momento pode parecer uma mensagem pacifica, buscando o beneficio da humanidade, mas na verdade é a implantação de uma ideologia perigosa. Onde a humanidade deve ser nivelada por baixo, se o outro país não tem condições nem de comer, então não posso e não devo investir em coisas além da subsistência, como programas espaciais, genoma humano e outras coisas.  Imagine um exemplo mais simples, onde você sendo um empresário de sucesso e seu sonho é comprar um carro de luxo, como um Lamborghini, mas você não deve pois seu vizinho tem cinco filhos,  e é catador de papelão. Percebe a pobreza e o perigo de tal ideologia vitimista?



Veja acima o que o ator Keanu Reeves disse sobre o tempo em que vivemos, não poderia ter resumido melhor.  Pois disfarçado de discursos em defesa dos menos favorecidos, usando apelos como liberdade as diversidade, escolha, sensibilidade, orientação sexual, e a tolerância, na verdade é um perfeito sistema de controle psicológico criado e desenvolvido por doutrinadores com o objetivo de  impor de uma uniformidade de pensamento, discurso e comportamento. Com o apoio de ONGs, Associações, e entidades que disseminam o marxismo cultural mascarado de Multiculturalismo.  Essa forma de controle imperceptível, e altamente sagaz foi cuidadosamente desenvolvida por intelectuais durante décadas, justamente para controlar a população, de uma forma que elas não percebessem, aceitassem e ainda a defendessem, se sentindo protegidos, e beneficiado. E como veremos essa doutrinação teve como base principal entre outras a teoria da Hegemonia desenvolvida por Antonio Gramsci.





O nascimento do multiculturalismo


“Os participantes de um movimento político normalmente ignoram seu fim, seu motivo e sua origem.” (Nicolás Gómez Dávila)



 Com o fim da Primeira Grande Guerra terminou, os socialistas perceberam que algo não havia corrido bem, uma vez que os proletários do mundo não haviam prestado atenção ao apelo de Marx de se insurgirem em oposição ao capitalismo como forma de abraçarem, no seu lugar, o comunismo. Devido a isto, estes mesmos socialistas começaram a investigar o que havia dado errado.

Assim os primeiros teóricos avaliaram  que a família tradicional sendo responsável por desenvolver valores morais, e o indivíduo ter uma base para desbravar o mundo e alcançar suas conquistas. Antonio Gramsci (Itália), e Georg Lukacs (Hungria), dois teóricos marxistas, observaram  que tanto a família tradicional como o cristianismo eram um obstáculos para implementar  uma doutrina de controle onde o indivíduo entregasse a sua individualidade e vontade de crescer ao Estado. Tanto a  hegemonia politica de Gramsci e os planos de Lukacs foram os precursores do que o marxismo cultural.

Gramsci estudou Filosofia e História na Universidade de Turim, e imediatamente após a Primeira Grande Guerra, ele estabeleceu o seu próprio jornal radical, A Nova Ordem, e pouco depois ajudou a fundar o Partido Comunista Italiano. Ele alegou  que o Cristianismo era a filosofia dominante e o sistema moral na Europa e na América do Norte, dominando o Ocidente há mais de dois mil anos, e  havia corrompido a classe operária. Assim  segundo  Gramsci, o Ocidente teria que ser previamente descristianizado através uma de batalha focada na cultura, começando pela família tradicional, e absorvendo por completo as igrejas, as escolas, a grande mídia, o entretenimento, as organizações civis, a literatura, a ciência e a história. Todas estas instituições teriam de ser transformadas radicalmente, e a ordem social e cultural teria que ser gradualmente subvertida de modo a colocar o novo proletariado no topo. 

 
Na verdade Gramsci viu que a doutrina socialista fracassou pois não podia ser imposta, mas deveria ser aceita como uma espécie de filosofia de um mundo melhor. Assim ele utilizou os seus conceitos de hegemonia para conquistar a confiança e agregar as "classes desfavorecidas". Então  Gramsci para desacreditar o domínio sobre os padrões de pensamento tradicionais seria por meio  do controle das instituições culturais - as igrejas, a educação, os jornais, as revistas,  a literatura, a música, as artes visuais, e assim por diante. Ao obterem a "hegemonia cultural", para usar os termos de Gramsci, o Comunismo iria controlar as fontes mais profundas do pensamento e da imaginação do ser humano.

Nem é preciso controlar toda a informação se for possível obter o controle das mentes que assimilam essa informação. Perante tais condições, a oposição séria desaparece uma vez que os homens controlados, dependentes  e emburrecidos pelo sistema hegemônico, já não seriam capazes de entender os argumentos dos opositores do Marxismo. De fato, os homens irão "amar a sua servidão" e nem se aperceberão que isso é servidão.

Georg Lukacs por sua vez, instalou  um programa de educação sexual radical e palestras sexuais, sendo distribuída literatura contendo imagens que instruíam graficamente os jovens a enveredar pelo “amor livre” (promiscuidade) e pela intimidade sexual (ao mesmo tempo que a mesma literatura os encorajava a ridicularizar e a rejeitar a ética moral cristã, a monogamia e a autoridade da igreja). 

Em 1923 foi fundada na Alemanha de Weimar a Escola de Frankfurt – um grupo de reflexão marxista. Entre os fundadores encontravam-se Georg Lukacs, Herbert Marcuse, e Theodor Adorno. A escola era um esforço multidisciplinar que incluia sociólogos, sexólogos e psicólogos. O objetivo primário da Escola de Frankfurt era o de traduzir o marxismo econômico para termos culturais, como a hegemonia politica de Gramsci. A escola disponibilizaria as ideias sobre as quais se fundamentaria uma nova teoria política de revolução (com base na cultura), aproveitando um novo grupo “oprimido” para o lugar do proletariado infiel. Esmagando a religião e a moralidade, a escola construiria também um eleitorado junto aos acadêmicos que construiriam carreiras profissionais estudando e escrevendo sobre a nova um mundo novo.

Herbert Marcuse com sua teoria de perversão polimorfa conseguiu expandir o número do novo proletariado de Gramsci de modo a que se incluíssem os homossexuais, as lésbicas e os transexuais. A isto juntou-se a educação sexual radical de Lukacs e as táticas de terrorismo cultural. A “longa marcha” de Gramsci foi também adicionada à mistura, sendo ela casada à psicanálise freudiana e às técnicas de condicionamento psicológico. O produto final foi o marxismo cultural, hoje em dia conhecido no Ocidente como multiculturalismo.


Nos anos 50 a Escola de Frankfurt expandiu ainda mais o seu poder de fogo intelectual,  incluindo a ideia da “Personalidade Autoritária” de Theodor Adorno. O conceito tem como premissa a noção de que o Cristianismo, o capitalismo e a família tradicional geram um tipo de caráter inclinado ao racismo e ao fascismo.

O conceito da “Personalidade Autoritária” defende também que as crianças criadas segundo os valores tradicionais dos pais irão tornar invariavelmente racistas e fascistas. Como consequência, se o fascismo e o racismo fazem parte da cultura tradicional da América, então qualquer pessoa educada segundo os conceitos de Deus, família, patriotismo, direito ao porte de armas ou mercados livres precisa de ajuda psicológica.

A Teoria Crítica também foi outro engenho psicológico de “comando e controle”. A Escola de Frankfurt alegava que sua Teoria Crítica da Sociedade era a teoria da verdade.  A filosofia ocidental, de Santo Tomás de Aquino a Kant, passando por Hegel, Fichte, Schellin e Goethe, deveria ser sumariamente descartada e substituída pelas regras próprias e dogmáticas da Escola de Frankfurt, a qual continha todas as diretrizes do "pensamento correto". Tanto o “politicamente correto” como a Teoria Crítica são como podemos ver  intimidações psicológicas. Assim, o estado totalitário realmente eficiente seria aquele onde os chefes políticos e o seu exército de gestores controlariam uma população de escravos que não precisariam serem coagidos porque eles amariam a sua servidão.


Apesar do fim  da União Soviética devido a Perestroika,  e a aparente perda de força dos movimentos dos anos sessenta da "revolução cultural de Marcuse", os socialistas se reorganizaram em uma nova forma em grupos como:  feministas radicais, movimentos negros extremistas, os ativistas “pela paz”, os ambientalistas radicais, e os ativistas homossexuais, assim como movimentos sem terra no Brasil, e proteção da cultura indigena. Escondendo suas verdadeiras intenções por trás de: tolerância, justiça social, justiça econômica, paz, direitos reprodutivos, educação sexual e sexo seguro, escolas seguras, inclusão, diversidade e sensibilidade, conseguiram se infiltrar nas camadas sociais em forma de ONGs, associações e entidades diversas para continuar disseminando a sua doutrina de  marxismo cultural mascarado de multiculturalismo.




Brasil pós politicamente correto


O nosso país, assim como todo o resto do mundo também sofreu forte contaminação com a disseminação do politicamente correto pelos grupos radicais de esquerda. PCdoB, MNR, AP, POLOP, MR8, PCBR, ALN, VPR, COLINA, VAR-PALMARES, VPR responsáveis por mortes, atentado a bombas, roubos, sequestros, perceberam que a melhor do que o uso da força para se chegar ao poder, era a adoção das técnicas da Escola de Frankfurt. Onde geraria uma população constituída de escravos voluntários, satisfeitos em receber sua cota de assistencialismo mensal por meio der bolsas. Então como foi dito em outro artigo ao longo da década, alguns militantes aderiram ao MDB. Nos anos oitenta, com a anistia, e a abertura política, começaram a se organizar em partidos que existem até hoje:



PCB = PPS



MNR + VPR = PDT



MR-8 + PCBR = PMDB



PCBR + ALAN = PT



PCdoB + AP = PCdoB

E como ficou o Brasil com essa nova ordem?

Política: Em apenas trinta anos de abertura política e redemocratização o cofre publico foi esvaziado,  os partidos se aliaram em um gigante sistema de corrupção com desvios na casa dos trilhões. E tal esquema foi a publico com a operação Lava Jato.


Empresas: As empresas que são responsáveis pela geração de emprego, exportação, e circulação, foram os variados impostos, não conseguindo competir com os produtos importados, gerando o fechamento de milhares de empresas existentes a décadas e resultado em milhões de desempregados. 
 

Família: Ataques constantes a família e religiões, afeminando os homens e masculinizando as mulheres, e doutrinação de crianças a pedofilia e pederastia.



Educação: A educação foi substituída por subversão sexual e imoralidade e currículos escolares "emburrecidos" e "politicamente corretos":




Mídia: Os órgãos de informação são moldados de modo a serem instrumentos de manipulação em massa, e instrumentos de assédio e descrédito das instituições tradicionais e dos seus porta-vozes;



Crianças: As crianças são os principais alvos, já que representam o futuro, são devidamente doutrinadas para aceitar o devasso e repudiar valores tradicionais, sendo guiadas a acreditar que tal valores eram  hipócritas e ignorantes.



Crime: Hoje no Brasil existem 84 facções criminosas. Os criminosos presos em flagrantes por roubo, tráfico e porte de arma são soltos na manhã seguinte nas audiências de custódia. E crimes de homicídios, menores ficam apreendidos na fundação casa por oito meses.


Observação Importante: Infelizmente tem várias pessoas disseminando  que o voto não é importante devido o nível de corrupção em nosso país, que a melhor coisa é anular o voto em forma de protesto. Só que elas esquecem que na verdade estão cedendo seu direito de escolha a outras pessoas. E consequentemente tornando o seu país cada vez mais instável e perigoso, colocando em risco as suas famílias. Imagine só um exemplo, se o Brasil no cenário atual tem 84 Facções criminosas e 60.000 homicídios de cidadãos por ano, imagine daqui a mais oito anos, segundo especialistas de segurança pública a situação será irreversível. Pense nisso, não delegue sua responsabilidade a outros.



Obras indicadas:


Livros:




Série:



Conclusão


Como vimos o domino global do politicamente correto pondo fim na verdadeira liberdade de opinião. Mas o que isso representa para nós sobrevivencialistas e combatentes urbanos? Simples um governo que escolhe por você e seus filhos: o certo e o errado, orientação sexual, entre outras coisas. Além de um mundo despersonalizado, temos aumento da criminalidade, e a destruição da família tradicional, por meio da mídia, entidades, associações. 

Aceitar essa ditadura silenciosa onde as convenções sociais são alteradas, e aceitar um mundo com facções criminosas, promiscuidade, corrupção,  como uma nova ordem. É esse mundo que quer para seus filhos? com certeza não. Seja cidadão, e não delegue seu direito de escolha a outras pessoas, vote consciente.

É isso ai Drax, põe pra fora, o politicamente correto já deu!!!

Dúvidas? sugestões? Deixem nos comentários. Se gostaram deem um curtir e compartilhem. E não esqueçam de clicar em um dos anúncios para nos ajudar a continuarmos com nosso trabalho. Muito obrigado.

  

E não esqueça de  visitar nossa biblioteca sobrevivencialista virtual, clicando na imagem abaixo: 


http://centrodeestudomars.blogspot.com.br/p/biblioteca.html


Prof. Marcos Antônio Ribeiro dos Santos

  

Colaboração:

 Dr. David S. 

 

Conheça Também:

Conheça nosso Canal no Youtube:

Conheça nossa página no Facebook:

 

Trailer do Canal:

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...