domingo, 26 de agosto de 2018

Killologia: A arte de Matar - Parte 3 - Condicionamento operante


Nessa postagem vamos abordar o terceiro tipo de condicionamento na killologia para combate em situações extremas, o condicionamento operante.  Na primeira postagem falamos sobre o condicionamento que visava desumanizar o alvo. Na segunda sobre o sistema de condicionamento  clássico, com uso de  recompensas pelo alto desempenho e para produzir satisfação no combatente de ver o alvo ser neutralizado.   No condicionamento operante (estímulo-resposta), estudaremos de forma mais aprofundada as técnicas para desenvolver psicologicamente a  reação reflexa do combatente  contra a violência, e a neutralização do alvo,  diminuindo o tempo estímulo resposta no campo de batalho. 

Lembrando que essas técnicas foram desenvolvidas e são aplicadas até hoje em grupos operacionais do mundo todo para se ter uma resposta rápida e efetiva do combatente no momento de crise. Aqui estamos falando de condicionamento técnico tático para neutralizar a repentina ameaça.



Observação importante: As informações presentes nesta matéria são para o público maior de 18 anos, para fins de conhecimento didático, e treinamento combativo baseado na legítima defesa e estrito comprimento legal que estão em nossa constituição e Código Penal. O uso indevido dessas informações, bem como suas consequências é de responsabilidade única e exclusivamente de quem praticar e desobedecer a lei. Então use o cérebro.



Depois de ler a mensagem acima podem iniciar a leitura do artigo abaixo:





Mais rápido, mais eficiente, mais letal



O terceiro método usado por  grupos da área de segurança pública, militares, e grupos especiais é o condicionamento operante, um procedimento muito poderoso de estímulo-resposta. O conceito de “Condicionamento Operante” foi criado pelo escritor e psicólogo americano Burrhus Frederic Skinner. Este refere-se ao procedimento através do qual é modelada uma resposta cognitiva reflexa por meio reforço diferencial, e aproximações sucessivas. Skinner distinguiu entre dois tipos diferentes de comportamentos: 

 Skinner e sua experiência com a caixa que levou o seu nome.

Comportamentos respondentes: Comportamentos respondentes são aqueles que ocorrem automaticamente e reflexivamente, como puxar sua mão de volta de um fogão quente ou levantar sua perna quando o médico bate em seu joelho. O condicionamento clássico pode explicar comportamentos respondentes, Skinner percebeu que não poderia ser responsável por uma grande quantidade de aprendizagem. Em vez disso, Skinner sugeriu que o condicionamento operante tinha importância muito maior.

Comportamentos operantes ou condicionamento skinneriano: São aqueles sob nosso controle consciente. Alguns podem ocorrer espontaneamente e outros propositadamente, mas são as consequências dessas ações que influenciam ou não as ocorrências futuras. Nossas ações sobre o meio ambiente e as consequências dessa ação tornam-se uma parte importante do processo de aprendizagem. Você não tem que aprender esses comportamentos, eles simplesmente ocorrem de forma automática e involuntariamente. Skinner usou o termo operante para se referir a qualquer “comportamento ativo que atua sobre o meio ambiente para gerar consequências”. Em outras palavras, a teoria de Skinner explicou como podemos adquirir a gama de comportamentos aprendidos que exibimos a cada dia.


Como um behaviorista, Skinner acreditava que não era realmente necessário olhar para pensamentos e motivações internas, a fim de explicar o comportamento. Ele sugeriu, que devemos olhar apenas para as causas externas, observáveis do comportamento humano. O comportamento seria apenas um reflexo dos fenômenos externos. Enquanto os primeiros behavioristas tinha centrado os seus interesses na aprendizagem associativa, Skinner estava mais interessado em como as consequências de ações das pessoas influenciavam seu comportamento.







Na imagem acima, os reforços primários - como receber alimento ou ser aliviado de um choque elétrico - são intrinsecamente satisfatórios. Os reforços secundários são aprendidos. Se um rato numa caixa de Skinner aprende que uma luz sinaliza de maneira confiável que a comida está chegando, ele vai se empenhar em acender a luz. Dinheiro, boas notas, são exemplos de reforços secundários, cada um das quais está ligado a recompensas mais básicas.
 
Por outro lado, as ações que resultam em punição ou consequências indesejáveis serão enfraquecidas e terão menos probabilidade de ocorrerem novamente no futuro. Se você contar a mesma história novamente em outra classe, mas ninguém rir, desta vez, você vai ser menos propenso a repetir a história novamente no futuro. Qual é a diferença entre o clássico e operante condicionado?

Origem:

• Tanto o condicionamento clássico quando condicionamento operante vem da psicologia comportamental.

Fundadores:

• O condicionamento clássico foi desenvolvido por Ivan Pavlov.

• O condicionamento operante foi desenvolvido por BF Skinner.
• Teoria:

Condicionamento:

• Condicionamento clássico destaca que o estímulo neutro pode ser transformado em um estímulo condicionado, produzindo uma resposta condicionada.

• O condicionamento operante envolve condicionamento de  comportamento voluntário, controlável através de suas consequências – reforços e punições.

Associação entre comportamento e resultados:

• No condicionamento clássico, a associação não pode ser controlada.

• No condicionamento operante, a associação entre comportamento e resultados é aprendida.
• Resposta:

• A resposta em condicionamento clássico é automática e involuntária.

• No condicionamento operante, a resposta é voluntária.

Estas duas formas de aprendizagem têm suas raízes na Psicologia Comportamental, ou Behaviorismo, porémentre existe uma diferença significativa. 

Um exemplo prático no uso combativo do condicionamento operante é a uso de simuladores de voo para treinar pilotos. Um piloto de linha aérea em treinamento senta na frente de um voo simulador para horas intermináveis ​​e entorpecentes. Quando uma luz de aviso de estímulo particular continua, ele é ensinado a reagir de uma certa maneira. Quando outra luz de advertência acende, reação diferente é necessária estímulo-resposta, estímulo-resposta, estímulo-resposta.

A alta taxa de disparos no Vietnã seguiu o treinamento com dessensibilização e condicionamento operante. Silhuetas humanas substituíram alvos de bullseye em exercícios de tiro. Uma resposta reflexiva "tiro rápido" foi cultivada. Com isso equipes de metralhadoras também aumentam a taxa de disparos porque os indivíduos não podem simplesmente fingir que atiraram ou intencionalmente errar.   Em combate aéreo, 1% dos pilotos fizeram mais de 30% das mortes; a maioria dos pilotos de caça nunca abateu um avião, talvez nunca tenha tentado.


No treinamento da força especial  Russa, os Spetsnaz, passam por um treinamento extremamente rigoroso e  pesado, o mais próximo da realidade possível, para que seus membros serem condicionados a resistir a dor,  e fraquezas e combaterem  para concluírem o seu objetivo operacional.


Equipes de metralhadoras também aumentam a taxa de disparos porque os indivíduos não podem simplesmente fingir que atiraram ou intencionalmente errar. 

          Tabela das áreas de treinamento e condicionamento  dos Spetsnaz.



Outro exemplo: Um dia, o piloto está realmente pilotando um jumbo, o avião está caindo e 300 pessoas estão gritando atrás dele. Ele está molhando a almofada do assento e está assustado, mas ele faz a coisa certa. Por quê? Porque ele foi condicionado a responder em um particular caminho para esta situação de crise. Quando as pessoas estão com medo ou com raiva, elas farão o que foram condicionadas a fazer. Nós fazemos isso com crianças em exercícios de incêndio. Quando o alarme de incêndio é acionado, as crianças aprendem a sair da escola de maneira ordenada. Um dia há um incêndio real e eles estão assustados fora de seu juízo, mas eles fazem exatamente o que eles foram condicionados a fazer, e isso salva a vida deles.


Os militares e a comunidade de aplicação da lei fizeram matar um condicionamento resposta. Isso aumentou substancialmente a taxa de disparos no campo de batalha moderno. Enquanto que O treinamento de alvos na Segunda Guerra Mundial usou alvos bullseye, agora os soldados aprendem a atirar em silhuetas realistas, em forma de homem, que surgem em seu campo de visão. Essa é a condicionada estímulo. Os soldados só têm uma fração de segundo para acertar o alvo. O condicionado resposta é atirar no alvo e vê-lo cair. Estímulo-resposta,  soldados ou policiais experimentam centenas de repetições disso, para chegar a perfeição de reação aos estímulos  no momento do combate.


Então quando  soldados estão no campo de batalha, ou policiais estão dando uma batida e alguém aparece com uma arma, reflexivamente eles vão atirar. Segundo estudos graças a esse tipo de condicionamento ,  sabemos que 75 a 80 por cento do combate no campo de batalha moderno é o resultado deste tipo se treinamento de estímulo-resposta.

Segundo pesquisas filmes violentos, jogos, noticiários policiais podem auxiliar e muito em nossa resposta objetiva e fria aos estímulos violentos externos.








Grossman fala  do poder dos games no processo mental de estimulo-resposta, devendo os pais tomar cuidado com jogos impróprio para crianças, pois elas estariam aprendendo o mesmo  reflexo condicionado e habilidades motoras dos soldados. E ele nos cita um exemplo que acompanhou de perto:

"Eu era uma testemunha especialista em um caso de assassinato na Carolina do Sul tentando oferecer mitigação para um criança que estava enfrentando a pena de morte. Nós tentamos explicar ao júri que a interação Os videogames haviam condicionado essa criança a atirar com uma arma para matar. Ele colocou centenas de dólares em videogames aprendendo a apontar e disparar, apontar e disparar. Um dia, ele e um amigo dele decidiu que seria divertido roubar o mercado rápido local da encruzilhada.

Entraram e ele apontou uma pistola calibre 38 na cabeça do funcionário. O balconista virou-se para olhá-lo, e o réu disparou reflexivamente de um alcance de cerca de um metro e oitenta.
A bala atingiu o balconista entre os olhos, o que é um tiro bem notável arma nesse intervalo, e matou esse pai de dois filhos. Depois, perguntamos ao garoto o que aconteceu e por que ele fez isso? Isso claramente não fazia parte do plano deles de matar o homem estava sendo filmado em seis direções diferentes. Ele disse: "Eu não sei, foi um erro, isso não deveria acontecer. ”

"Nos mundos militar e policial, a opção certa geralmente é não atirar, mas você nunca, nunca coloque seu quarto naquela máquina de vídeo com a intenção de não fotografar.
Há sempre algum estímulo que o desencadeia. Quando este jovem estava animado, e seu ritmo cardíaco subiu, e a vasoconstrição se instalou, e seu prosencéfalo fechou, ele fez exatamente o que ele estava condicionado a fazer: ele puxou o gatilho reflexivamente, atirando e atirando com precisão, assim como todas as vezes que ele jogou videogames. Este processo de estímulo-resposta é extraordinariamente poderoso e assustador. "

 
Uma das crianças supostamente envolvido em tiroteios em Jonesboro - e eles são apenas as crianças tinham muita experiência em disparar armas reais. O outro filho era um não atirador e, no melhor de nosso conhecimento, quase não tinha experiência em fotografar. Entre eles, as duas crianças dispararam 27 tiros de mais de 100 jardas e atingiram 15 pessoas. Isso é muito notável. Nós nos deparamos muito com essas situações: crianças que nunca pegou uma arma em suas vidas pegar uma arma real e são incrivelmente preciso e eficiente com essa arma. 




4. Se condicionando para situações extremas de autodefesa



Então como vimos acima as três principais técnicas operativas para condicionamento psicológico em situações extremas:

Dessensibilização e brutalização:  É  o distanciamento é a perda da empatia a figura do inimigo, tirando a sua humanidade, criando uma visão de um ser vil e inferior, moralmente, culturalmente.

O condicionamento clássico (pavloviano): é o sistema de recompensas pelo alto desempenho e a satisfação de ver o alvo cair com cada tiro. 

O condicionamento operante (pioneiro de BF Skinner): é usado para converter o disparo em e matar o inimigo em questão de reflexo. O Soldado vê o inimigo, dispara e o inimigo cai exatamente como acontece no alcance do alvo. 


Grossman entrevistou muitos veteranos que afirmam que suas mortes foram em grande parte reflexivas - eles não pensaram até depois do ato já ter sido cometido. Isso representa uma doutrinação militar bem-sucedida para matar em termos de dessensibilização e condicionamento. Nas forças armadas, você é imediatamente confrontado com um modelo: seu sargento de treinamento. Ele personifica violência e agressão. Junto com heróis militares, esse tipo de violência modelos de papel sempre foram usados ​​para influenciar mentes jovens e impressionáveis.  É necessário evitar a negação de que coisas ruins acontecem e, em vez disso, pensar claramente sobre quais ações devem ser tomadas em situações de alta intensidade.

Treinar o mais realista possível é importante. Ações repetidas permitem que o guerreiro aja sem pensar, como se estivesse no "piloto automático". É realmente possível ficar com medo sem palavras. Ensaiando as palavras apropriadas pode impedir que isso aconteça.   Um bom treinamento pode aumentar a confiança e tornar as pessoas menos suscetíveis aos efeitos do estresse extremo e da ansiedade que acompanha o desempenho. Grossman defende o que ele chama de "veteranos de pré-guerra", ou seja, indivíduos que passaram por um treinamento que foi suficientemente estressante para prepará-los para os compromissos da vida real. Durante o treinamento militar e policial, um indivíduo não deve perder. Nos encontros de vida ou morte, a perda equivale à morte, portanto, o treinamento não deve terminar até que o treinando tenha completado quaisquer objetivos que indiquem sobrevivência no teste. Agora veja as dicas que você pode adotar no seu dia a dia para conseguir os objetivos acima:

a. Faça treinamento de autodefesa mais próximo da realidade que encontrará na rua;
 

b. Faça cursos táticos de tiro defensivo, ofensivo, e técnica de progressão tática;
 



c. Jogos de vídeo games de tiro de primeira e terceira pessoa, são comprovadamente estimuladores do condicionamento operativo estímulo-resposta, já que o cérebro não ve diferença entre o adversário real, e o virtual na resposta instintiva:




d. Assista a telejornais policiais, e veja cenas reais de roubo e morte  de vitimas de assalto.




e. Assista a filmes violentos, especialmente os do tipo gore, as pessoas que assistem esses filmes são comprovadamente menos sensíveis a imagens reais de acidentes fatais, e mortes no geral.




f. Desumanize os criminosos, esqueça a bobagem de roubar por necessidade, crime famélico (roubar por necessidade) pois isso não existe na sociedade, uma vez que tem vários abrigos e instituições que fazem distribuição de alimentos e caridades. 


Nos EUA os manuais com  termos para preparadores sobrevivencialistas chamam predadores humanos de Zombies.

O crime em nossa sociedade é cultural, visando, prestigio, poder e bens então desumanize a ideia de criminosos. Crie uma concepção de  imagem do que são: monstros que matarão e estuprarão a sua família se pensar demais na hora de apertar o gatilho.






Obras indicadas:




Livros






Filmes








Séries:










Jogo












Conclusão


Hoje falamos sobre o terceiro condicionamento dentro da kilologia que auxilia o combatente a matar em um cenário extremamente violento, onde a sua vida e dos seus entes queridos estão por um fio. No primeiro artigo  falamos sobre a desumanização do alvo, posteriormente o condicionamento clássico, que como vimos, apesar de eficiente,se torna inviável por desumanizar o próprio combatente que vê o ato da violência , ou até mesmo matar como uma vitória. Já no  condicionamento operante, talvez entre os três que analisamos seja o mais importante dos três, uma vez que aumenta a resposta reflexa do combatente no pior cenário. O condicionamento operante ao contrário do clássico é utilizado ainda hoje em todo o mundo, por tornar o operativo melhor, sem danos psicológicos.

O objetivo deste artigo sobre  a arte de matar foi para auxiliar você combatente urbano a entender que se não houver um preparo psicológico adequado, o combatente pode ter as melhores armas e os melhores professores de autodefesa e mesmo assim não irá evoluir. Determinação, como já abordamos em outras postagens é a base para  se tornar um combatente eficiente. E um grande passo para alicerçar a sua determinação para o pior cenário de crise é o preparo psicológico.  Então o que está esperando? monte seu projeto para se transformar em um bom combatente urbano, coloque no papel que habilidades realmente precisa aprender e desenvolver desenvolver, tanto físicas quanto psicológica para se prepara  e proteger a sua família.Não se esqueça a forma que você irá agir no momento da batalha será da forma que  se preparou, então não espere o lobo.

Uau Sam Fisher! Você matou o cara com um tapão no pé do ouvido? Very cool man!

Dúvidas? sugestões? Deixem nos comentários. Se gostaram deem um curtir e compartilhem. E não esqueçam de clicar em um dos anúncios para nos ajudar a continuarmos com nosso trabalho. Muito obrigado.

  

E não esqueça de  visitar nossa biblioteca sobrevivencialista virtual, clicando na imagem abaixo: 


http://centrodeestudomars.blogspot.com.br/p/biblioteca.html


Prof. Marcos Antônio Ribeiro dos Santos

  

Colaboração:

 Dr. David S. 

 

Conheça Também:

Conheça nosso Canal no Youtube:

Conheça nossa página no Facebook:

 

Trailer do Canal:

 

 



2 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...