quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Fuzil FAMAS: Morte à francesa - Parte 1



O fuzil de assalto FAMAS foi um dos primeiros bullpup,  é uma configuração de fuzis, onde o gatilho se encontra à frente do carregador de munição. Simples e compacto esse fuzil mostra uma série de características interessantes, boas e ruins, como veremos a seguir.

Observação importante: As informações presentes nesta matéria são para o público maior de 18 anos, para fins de conhecimento didático, e treinamento combativo baseado na legítima defesa e estrito comprimento legal que estão em nossa constituição e Código Penal. O uso indevido dessas informações, bem como suas consequências é de responsabilidade única e exclusivamente de quem praticar e desobedecer a lei. Então use o cérebro.



Depois de ler a mensagem acima podem iniciar a leitura do artigo abaixo:







História e evolução



Os primeiros rifles bullpup franceses foram desenvolvidos entre 1946 e 1950 no AME ( Atelier Mécanique de Mulhouse ) e MAS, rodadas de testes como .30 US Carbine , 7,92 × 33mm Kurz , 7,65 × 38mm (Made by Cartoucherie de Valence ) e alguns outros calibres intermediários.  Desde que a França estava engajada na Primeira Guerra da Indochina na época, e era também o segundo maior contribuinte para a OTAN , os orçamentos de pesquisa para novos tipos de armas eram limitados e era dada prioridade à modernização e produção do serviço existente.


Em 1967, o exército francês solicitou uma nova arma de infantaria para substituir tanto a espingarda MAS 49/56 como a submetralhadora MAT-49. Três anos depois, os militares franceses padronizaram o novo cartucho de 5,56 por 45 milímetros. Sob a direção do General Paul Tellié (1919-1924)  o primeiro protótipo foi concluído em 1971, designados MAS A1 com avaliação militar francesa do rifle a partir de 1972. Construída pela fabrica de Armas de Saint-Etienne baseou-se em um projeto bullpup com uma ação de blow-back retardada por alavanca que removeu a necessidade de um sistema de gás e teoricamente criou uma arma mais simples e confiável. 

 General Paul Tellié (1919-1924), criador do FAMAS.

Uma série de protótipos foram desenvolvidos posteriormente até que o governo francês suspendeu o programa em 1974 para testar fuzis estrangeiros, incluindo o HK 33 e o FN CAL. Enquanto isso, os protótipos do MAS A4 tiveram problemas de confiabilidade, obrigando o MAS a colocar o desenvolvimento da arma em espera. Os rifles estrangeiros também não atenderam às exigências do exército francês. No verão de 1975, a MAS retomou o trabalho em seu rifle bullpup. As versões A5 e A6 concentraram-se em melhorar a confiabilidade e a vida útil do barril. Em 1977, o exército francês testou o protótipo A7. O Bullpup do MAS não possuía uma capacidade de burst de três voltas confiável, então o exército gentilmente descartou a exigência.


Em agosto de 1977, o exército francês adotou formalmente o MAS A7 como Fusil d'Assaut da Manufatura de Armas de Saint-Étienne, ou FAMAS F1. Assim a FAMAS passou nove anos em desenvolvimento, começando no final dos anos 1960 e finalmente sendo adotada como o rifle de serviço do Exército Francês padrão em 1978 (substituindo o MAT-49 SMG e o rifle MAS 49/56). Durante este tempo, protótipos e 7 variantes progressivas foram feitas (A1-A7) antes de finalmente decidir sobre o modelo F1 para adoção. Em 1979, a MAS desenvolveu um sistema de rebentamento confiável e incorporou isso ao F1. A FAMAS viu a primeira ação em 1983 no Chade durante a Operação Manta.

Em 1995, a marinha francesa adotou a variante melhorada do G2 das FAMAS, que pode aceitar revistas da OTAN. Ele também tem um guarda-mato maior, um perfil de estoque ligeiramente diferente e 1/9 em vez de rifle 1/12. Em maio de 2014, o Ministère de la Défense francês anunciou uma licitação à escala da União Européia para um mínimo de 90.000 fuzis e carabinas a serem emitidos em todas as forças armadas francesas.    

Quando a fábrica da Manufatura de Armas de Saint-Etienne (MAS) fechou em 2002, nenhum fuzil doméstico poderia ser fabricado.  O último lote de rifles FAMAS recém-produzidos, construído em 2002, viu mais de uma década de serviço pesado até 2016.  Os militares também cessaram a fabricação de munição especial de aço para as FAMAS. Porque as FAMAS não funcionavam adequadamente com as munições com invólucro de latão padrão da OTAN (o Famas F1 "valorisé" e o G2 usam cartuchos da OTAN e G2 STANAG). Em agosto de 2016, o Ministère de la Défense selecionou o fuzil HK416 de Heckler e Koch para substituir o FAMAS como o novo fuzil de serviço geral.  Sob o contrato francês, o novo rifle foi designado como o HK416F, com 'F' para a versão francesa.  16.000 fuzis serão comprados anualmente até que um total final de 90.000 a 102.000 fuzis sejam entregues.  Espera-se que os novos fuzis permaneçam no serviço francês ativo por pelo menos 30 anos.  



O FAMAS será emitido para a Guarda Nacional Francesa e unidades policiais domésticas, e continuará a servir em unidades de reserva e não combate até que uma eliminação progressiva das FAMAS com o HK416 possa ocorrer.  Segundo dados recentes, as forças armadas francesas atualmente usam cerca de 400.000 fuzis FAMAS F1 e G2 ainda armazenados em seu arsenal. Na próxima página veremos na segunda parte da matéria a sua estrutura única e bem como seu funcionamento inovador.


http://www.centrodeestudomars.com/2019/01/fuzil-famas-morte-francesa-parte-2.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...